Você está aqui

Mostra de Cinema Russo Contemporâneo estreia no Caixa Belas Artes

  • 09/01/2016 19h19publicação
  • São Paulolocalização
Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil
Penitência, de Tenguiz Abuladze

Penitência, de Tenguiz Abuladze/Divulgação

A Mostra de Cinema Russo Contemporâneo chega à capital paulista em 14 de janeiro apresentando o período da Perestroika, que começou nos anos 80 e trouxe mudanças na estrutura econômica e social soviética, e a produção cinematográfica dos últimos 20 anos na Rússia. Além da programação de filmes, que serão exibidos no Caixa Belas Artes, haverá um ciclo de palestras com o crítico russo Andrey Plakhov.

Com curadoria de Maria Vragova e Luiz Gustavo Carvalho, a mostra exibe filmes relevantes para a história do cinema russo e também para a história do país, como Penitência, de Tenguiz Abuladze, considerado marco da Perestroika nas artes visuais; Garota Internacional, de Piotr Todorovskiy, um dos primeiros filmes a abordar o tema da prostituição na União Soviética; O Assassino do Czar, de Karen Shakhnazarov, que conta a verdadeira história do assassinato da família imperial russa e O Sol Enganador, de Nikita Mikhalkov, ganhador do Oscar de melhor filme estrangeiro em 1994.

Segundo Maria Vragova, que é russa e está há cinco anos no Brasil, o cinema russo, especialmente o contemporâneo, não é conhecido no Brasil e poucos filmes russos chegam no mercado cinematográfico brasileiro. “Esse ano, por exemplo, só chegou um, que foi O Leviatã, indicado ao Oscar”, lembrou. “A ideia é dar conhecimento à cultura cinematográfica russa contemporânea”, disse a curadora.

Vragova acredita que é importante mostrar os filmes desde a Perestroika até os dias atuais para que o público saiba um pouco sobre a Rússia, de sua cultura e da história dos últimos 25 anos depois da queda da União Soviética. “Sem entender o que aconteceu naquela época de mudanças, fica mais difícil entender o que está acontecendo hoje e porque está acontecendo”, completou.

A curadora destaca o chamado “cinema do autor”, que traria mais subjetividade e mais a personalidade do diretor para o filme, e cita exemplos desse segmento: Penitência e Mercadoria 200, de Alexei Balabanov.

“Alguns dos autores que estamos trazendo, como o Balabanov, é uma continuação do cinema de autor da Rússia. O cinema russo no mundo é muito conhecido como cinema de autor, não cinema de gênero. Então, o Balabanov é um seguidor do segmento e acho que a obra dele é muito importante tanto para a obra cinematográfica russa como para a mundial”, disse Vragova.

A série de palestras Aspectos do Cinema Russo contemporâneo, com o crítico Plakhov, acontece de 20 a 23 de janeiro e tem entrada gratuita. A mostra acontece de 14 a 27 de janeiro no cinema Caixa Belas Artes. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). O ingresso que dá acesso a todas as sessões custa R$ 30.

 

Edição: Fernando Fraga