Você está aqui

Theatro Municipal revive velhos carnavais do Rio em visita guiada

  • 03/02/2016 22h44publicação
  • Rio de Janeirolocalização
Paulo Virgílio - Repórter da Agência Brasil*

banner_carnaval_2016

Na pele de um monitor vestido a caráter, o maior cronista da Belle Époque carioca e repórter pioneiro da imprensa brasileira, João do Rio, pseudônimo do jornalista e escritor Paulo Barreto (1881-1921), foi o narrador de mais uma visita guiada que o Theatro Municipal do Rio de Janeiro realizou na tarde de hoje (3), homenageando o maior carnaval do mundo.

O programa Theatro Municipal Relembra os Carnavais teve início no último sábado (30) e será repetido amanhã (5).

As visitas guiadas, realizadas de terça-feira a sábado e também aos feriados, pela manhã e à tarde, fazem parte da programação regular do teatro, e permitem a cariocas e turistas conhecer a principal casa de espetáculos do Brasil, inaugurada em 1909. Nessa edição especial teatralizada, adultos e crianças aprendem um pouco sobre a evolução do carnaval desde o fim do século 19, época de mudanças urbanas que em boa parte tiveram como cenário a região da Cinelândia e da Avenida Rio Branco, onde está localizado o Theatro Municipal.

Por ali, passaram desfiles de ranchos, de grandes sociedades e dos cordões, que mais tarde se transformaram nos blocos. Além de ouvir histórias, os visitantes – em grupos de 30 – são convidados a cantarolar marchinhas e sambas durante o trajeto entre os vários ambientes do teatro.

Rio de Janeiro - O Theatro Municipal relembra antigos carnavais, com visita teatralizada (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Visitantes percorrem salões e conhecem histórias de carnavais do Rio antigo Tomaz Silva/Agência Brasil

O percurso começa pelo Salão Assyrio, onde os anfitriões fazem uma breve introdução e conduzem o grupo até o foyer do Balcão Nobre, espaço que abriga o piano da compositora Chiquinha Gonzaga e que hoje integra o acervo do Municipal. Foi Chiquinha (1847-1935), uma das primeiras mulheres a tocar piano em público, quem inventou a marchinha, ao criar Ó Abre Alas, cantada até hoje pelos blocos de rua do Rio.

Na varanda aberta para a Avenida Rio Branco, os visitantes ouvem uma descrição de como eram os desfiles do corso, com foliões fantasiados passando, inicialmente, sobre carruagens enfeitadas com alegorias, e depois sobre calhambeques conversíveis. O narrador também fala sobre as batalhas de confetes, esguichos de água e de lança-perfumes, quando os veículos se cruzavam perto da Avenida Beira-Mar.

Formado em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Jefferson Medeiros é o narrador que interpreta João do Rio. Ele atua na área educativa do Theatro Municipal e está satisfeito com a oportunidade de trabalhar com a memória do Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro - O Theatro Municipal relembra antigos carnavais, com visita teatralizada (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Interpretando João do Rio, o narrador Jefferson Medeiros conduz a visita guiada especial de carnaval pelos salões do Theatro Municipal do Rio de Janeiro Tomaz Silva/Agência Brasil

“Nós temos aqui uma central de documentação muito rica e esse processo de pesquisa para mim é bastante enriquecedor. E é muito importante passar essa memória, e com uma visão crítica, ao visitante do teatro. Esse é o papel do educador”, disse.

Na etapa seguinte da visita, todos são levados até a sala de espetáculos, onde os mais jovens se surpreendem ao saber que neste ambiente suntuoso eram realizados bailes de gala entre os anos 1950 e meados da década de 1970. Um dos sucessos marcantes dessa época foi a marchinha Sassaricando, composta em 1951 por Luiz Antônio, Zé Mário e Oldemar Magalhães.

O Baile do Municipal e suas histórias trouxeram recordações a uma das participantes da visita, a arquivista aposentada Ilyá Pires Fernandes, 82 anos. “Coisas que acontecem hoje no carnaval também tinham no Baile do Municipal. Havia uma revista, chamada Escândalo, que era sensacionalista, mostrava tudo”, lembrou. “Eu sempre gostei de carnaval. Fui rainha agora, num grupo de idosos”, disse Ilyá, ainda hoje foliã.

O roteiro carnavalesco termina na área externa do teatro, no Boulevard da Avenida Treze de Maio, onde os visitantes são convidados a jogar confetes e serpentinas, cantando as marchinhas que ensaiaram durante o passeio. Nesta quinta-feira, em seu último dia, a visita Theatro Municipal Relembra os Carnavais começa às 16h, com ingressos a R$ 20, a inteira, e R$ 10, a meia-entrada.

Rio de Janeiro - O Theatro Municipal relembra antigos carnavais, com visita teatralizada (Tomaz Silva/Agência Brasil)

A visita termina com um banho de confetes e serpentinas na área externa do teatro  Tomaz Silva/Agência Brasil

*Colaborou Carol Barreto, repórter do Radiojornalismo

Edição: Luana Lourenço