Você está aqui

Tradicional bloco Mudança do Garcia dá espaço à irreverência e à criatividade

  • 08/02/2016 23h18publicação
  • Salvadorlocalização
Sayonara Moreno - Correspondente da Agência Brasil

 

banner_carnaval_2016

Há 80 anos saindo pelas ruas da capital da Bahia, na segunda-feira de carnaval, o bloco Mudança do Garcia faz protestos em forma de folia. Foi assim que milhares de pessoas saíram hoje (8), na Avenida do Carnaval de Salvador: com faixas, cartazes e fantasias, mostrando a mistura que deu certo, do movimento que trata de assuntos como política, educação e saúde.

Bloco Mudanca do Garcia sai sempre na segunda-feira de carnaval em Salvador

Bloco Mudanca do Garcia sai sempre na segunda-feira de carnaval em SalvadorSílvio Tito/Agecom/Prefeitura de Salvador

“Um carnaval participativo, do Mudança do Garcia, democrático, onde o povo da comunidade aproveita para colocar suas demandas políticas de forma muito irreverente e democrática”, explica o diretor de Comunicação do bloco, Bobby de Carvalho.

Entre os foliões, fantasias incrementadas ou improvisadas, como a de Ângelo Castro, que sai há 30 anos no bloco e denominou a própria fantasia de Improviso da Hora.

“É bom fazer o protesto, porque antigamente era a maior guerra entre o Mudança e o pessoal, e agora virou o circuito de carnaval”, disse o folião, referindo-se aos primeiros anos em que o Mudança do Garcia saia às ruas sem estar na programação oficial do carnaval, o que causava confusão entre organizadores e até mesmo a polícia”, comemora o folião.

O bloco também tem uma banda, com o mesmo nome, que leva os foliões até o circuito oficial do Campo Grande, em cima do trio.

“Estou há 25 anos puxando a 'mudança' com a banda, e para a gente é uma realização. Cada ano que a gete consegue contruir esse movimento popular, legítimo, do carnaval de Salvador, e sair puxando essa multidão de um bloco sem corda, para a gente é uma satisfação e uma alegria muito grande”, declarou um dos músicos da banda, Welington Fera.

O Garcia é um dos mais antigos e tradicionais bairros de Salvador, localizado no centro da cidade, ao lado do Campo Grande, onde fica um dos circuitos oficiais, o Circuito Osmar.

Na tarde de hoje (08), penúltimo dia de carnaval, milhares de pessoas levaram o Mudança do Garcia para o circuito não somente com protestos, mas com campanhas de cunho social, como de combate à violência contra a mulher e o combate à exploração infantil.

“Nessa Mudança do Garcia a gente traz algumas ações voltadas à conscientização da população, para que todo mundo contribua com a reversão da exploração do trabalho infantil no carnaval. A gente sabe que o carnaval é uma festa de todos, mas é muito grande o número de crianças e adolescentes trabalhando na folia, sendo que essas pessoas deveriam ser protegidas”, esclarece a superintendente de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos, Anhamona de Brito.

A versão mais popular do surgimento do bloco diz que uma prostituta decidiu se mudar do bairro em uma segunda-feira de carnaval, depois de ter sido expulsa pela elite da sociedade da época. A partir disso, na segunda-feira de todos os carnavais, moradores do bairro fazem o movimento, lembrando a mudança da mulher.

Edição: Stênio Ribeiro