Você está aqui

Em Belo Horizonte, mostra busca aumentar visibilidade da mulher na literatura

  • 08/03/2016 19h21publicação
  • Belo Horizontelocalização
Léo Rodrigues – Correspondente da Agência Brasil
Um dos cartazes mostra poema da mineira Yeda Prates Bernis

Cartaz  mostra  poema  da  mineira  Yeda  Prates  Bernis,  uma  das  homenageadas Léo  Rodrigues/Agência  Brasil

Com o objetivo de divulgar e valorizar a contribuição da mulher para a literatura nacional, o Centro Cultural Liberalino Alves de Oliveira promove, ao longo deste mês, em Belo Horizonte, a exposição Mulheres na Poesia Brasileira. A exposição apresenta cartazes com trechos de obras de importantes autoras brasileiras, entre as quais Adélia Prado, Laís Corrêa de Araújo, Maria Esther Maciel, Hilda Hilst e Yeda Prates Bernis.

Segundo o escritor Sério Fantini, um dos organizadores da mostra, o centro cultural dispõe de obras das autoras e o público está convidado a ler os poemas no local. Para Fantini, o contato com as obras pode levar outras mulheres a se aventurarem na literatura. "Que elas possam se sentir representadas nas palavras dessas autoras. Às vezes, a pessoa não tem muita intimidade com a poesia, mas lê um cartaz, gosta e resolver buscar um livro da poetisa", disse o escritor.

Com entrada franca, a mostra pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Outras atividades relacionadas à poesia serão realizadas no local. Nesta quarta-feira (9), por exemplo, está previsto para as 10h, um sarau com leitura de poemas de Adélia Prado. As pessoas também serão estimuladas a falar sobre os sentimentos e lembranças despertados a partir pelos poemas lidos. "A ideia é propiciar um intervalo nessa correria do dia a dia e permitir reflexões", expliocu Fantini.

Mulheres leem mais

Desde 2001, o Instituto Pró-Livro realiza periodicamente pesquisas sobre o panorama da leitura no país. O último estudo, de 2012, revela que, entre as pessoas entrevistadas que leram pelo menos um livro nos três meses anteriores à pesquisa, 43% eram homens e 57%, mulheres. Conforme o estudo, elas leem mais, mas são menos lidas.

No Brasil, são poucas as pesquisas sobre a participação da mulher no mercado editorial. A pesquisadora Regina Dalcastagnè, da Universidade de Brasília (UnB), que monitora a publicação de romances no país, adiantou à Agência Brasil alguns números do próximo levantamento, que abrange o período de 2005 a 2014, cujos dados ainda estão sendo organizados.

Nesse período, apenas 29,4% dos romancistas são do sexo feminino. "Houve um aumento, já que, nos anos 70, tínhamos apenas 17,4% de romancistas mulheres", disse Regina. A pesquisadora ressaltou que as mulheres ainda não representam 30% em nenhum segmento do mercado literário.

É o terceiro período estudado pela pesquisadora, que já avaliou a produção literária de 1965 a 1979 e de 1990 a 2004. Em cada um dos períodos, Regina analisou os romances publicados pelas editoras mais citadas por especialistas. Em 692 obras de 383 autores, a disparidade entre personagens masculinos e femininos chamou a atenção: cerca de 60% dos personagens encontrados eram do sexo masculino. "Na imensa maioria das vezes, os homens são também protagonistas."

Regina destaca o fato de mulheres terem sido premiadas, de uns tempos para cá, nos principais eventos literários, que antes eram dominados por autores masculinos. No entanto, o preconceito ainda é muito forte, afirmou a pesquisadora. "Existe, muitas vezes, a ideia que mulheres só escrevem coisas de mulheres, enquanto tudo que os homens escrevem é considerado universal. Isso é complicado, porque as mulheres são maiorias nos cursos de letras."

A pesquisadora  tem a impressão de que as mulheres são também maioria entre os acadêmicos que pesquisam e publicam sobre literatura. "Então precisamos intervir. Se deixar correr solto, o panorama não muda. E há muitas escritoras de potencial, inclusive escritoras negras, que são ainda mais prejudicadas. O negro também praticamente inexiste em nosso mercado literário", enfatizou.

Edição: Nádia Franco