Você está aqui

Orquestra infantil abre inscrições no Complexo da Maré

  • 12/03/2017 19h43publicação
  • Rio de Janeirolocalização
Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil

Estão abertas até o dia 30 deste mês as inscrições para a Orquestra Maréimbau, para crianças de 7 a 14 anos de idade moradoras no Complexo da Maré, zona norte do Rio de Janeiro. São oferecidas 40 vagas para aprender a tocar violino, violoncelo, flauta, clarinete e instrumentos de percussão, em aulas gratuitas, dadas pelo maestro Ricardo Mirapalheta, idealizador do projeto e fundador da organização não governamental (ONG) Instituto Staumbor, ambos criados em 2007.

Segundo o maestro, trata-se de um trabalho multiplicador, de inclusão social. Nesses 10 anos, recorda Mirapalheta, alunos que começaram a aprender música aos 7 ou 8 anos de idade permaneceram estudando com intenção de fazer carreira artística.

Mirapalheta começou a atuar no Complexo da Maré organizando cafés culturais em conjunto com a associação de moradores, arregimentando, na comunidade, crianças interessadas. Ele trabalha para que a orquestra, um dia, chegue ao nível profissional.

Apesar de o projeto ter o patrocínio de três empresas privadas (Concessionária Lamsa, Linha Amarela e Instituto Invepar), Mirapalheta diz que existem dificuldades para continuar o trabalho. “O talento das crianças fortalece a orquestra”, diz o maestro, que vem formando duos, quartetos e quintetos de músicos infantis.

O balanço dos 10 anos de existência mostra que a orquestra ganhou credibilidade na comunidade, que assiste a apresentações periódicas dos pequenos músicos no Morro do Timbau. Segundo o maestro, esses concertos didáticos servem não só para as famílias das crianças conhecerem e valorizarem o projeto mas, principalmente, para estimular a criação de um movimento cultural na comunidade, “até de pacificação”.

Socialização

As aulas ocorrem às terças e quintas-feiras, a partir das 14h30, no Instituto Staumbor, em Bonsucesso, onde os interessados podem se inscrever. A orquestra faz parte agora do projeto Eco Fonia, da ONG, que busca integrar o estudo da música e da ecologia, baseado na harmonia e na estética dos valores naturais.

“A ecologia humana já se desdobra em uma contemplação bem maior”, comenta Mirapalheta. O aprimoramento dos alunos da orquestra será facilitado com a criação da Camerata Eco Fonia, que funcionará em espaço cedido pelo Clube Ginástico Português, no centro da cidade.

“Desenvolver um trabalho com crianças, envolvendo os lados disciplinar de comportamento e educação, para depois entrar o lado artístico e ter o fino trato, é um trabalho extensivo, de continuidade, que transforma realmente e ensina a ter o gesto musical”, diz o maestro. Por meio de livros que leva às aulas, ele tenta transmitir às crianças a importância da arte e do desenvolvimento do raciocínio, baseado em conhecimentos diversos.

Representatividade

Segundo Mirapalheta, o principal objetivo é formar uma orquestra representativa do Complexo da Maré, com um espaço fixo para concertos, e multiplicar essa ideia. O maestro foi convidado a implantar o projeto nas comunidades da Providência, de Cabritos, do Santíssimo e em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. “Tem alunos que foram para outros lugares, abriram pequenos grupos. É um trabalho multiplicador que tem a preocupação de, a partir dessa vibração, dar um diferencial para os alunos entenderem a vida”, ressalta.

O projeto recebeu o Prêmio Territórios da Cultura da Secretaria de Cultura do Município do Rio de Janeiro pelos concertos didáticos promovidos na comunidade. A orquestra também promove sessões culturais na creche e na escola de ensino fundamental da Maré.

Edição: Wellton Máximo