Você está aqui

Anima Mundi chega aos 25 anos e celebra os 100 anos da animação brasileira

  • 13/07/2017 15h38publicação
  • Rio de Janeirolocalização
Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil*

O primeiro registro de filme de animação no Brasil é de 1917, O Kaiser, uma charge animada do cartunista fluminense Álvaro Martins. Infelizmente, a produção se perdeu no tempo, mas continua sendo lembrada e recebe este ano a homenagem de seu centenário no Festival Anima Mundi, que chega em 2017 na 25ª edição.

Convidados internacionais, oficinas, cursos, bate-papos e uma programação com 470 títulos, de 45 países, entre eles 70 brasileiros, recheiam o festival, que começa sexta-feira (14), no Rio de Janeiro, e vai até o dia 23. Em São Paulo, será de 26 a 30 de julho. As atrações são para profissionais, amadores e amantes da animação.

Um dos fundadores do Anima Mundi Marcos Magalhães disse que foram selecionadas animações que marcaram o festival e filmes históricos, além da mostra competitiva, que reúne 182 produções.

“A gente tem os 25 anos do festival, pegamos filmes ou que foram premiados no festival ou que realmente ficaram muito marcados na memória das pessoas. A gente tem o centenário da animação brasileira, em que a gente pediu para as duas cinematecas das cidades sedes, a do MAM [Museu de Arte Moderna] no Rio de Janeiro e a Cinemateca Brasileira em São Paulo, para eles colherem no acervo de animação deles alguns tesouros”.

Magalhães disse que o Anima Mundi é a principal plataforma de fomento à animação do país, levando inclusive à formação da Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA), em 2003. Também é responsável pela formação de uma geração de realizadores e de público para filmes curtas e longas-metragens, para adultos e crianças, com diversos temas, técnicas e origens.

“Animação é uma coisa muito empática, né? A gente vê o Gato Félix, que foi um dos primeiros, ainda é reconhecido, a Betty Boop, Mickey Mouse, Branca de Neve, é um filme que é quase atual, você mostra para uma criança hoje em dia e ela não percebe a diferença para um filme moderno. Então é uma coisa que é muito da memória das pessoas, todo mundo gosta muito de animação e desde o primeiro festival a gente sentiu isso, que tinha tocado numa veia sensível mesmo, que as pessoas queriam ver animação e, mais do que isso, as pessoas queriam fazer animação”.

Pela mostra competitiva, o curta vencedor do Grande Prêmio Anima Mundi é selecionado para a disputa do Oscar. As mostras não-competitivas são Panorama, com curtas internacionais de diversas tendências; Animação em Curso, que apresenta trabalhos finais de escolas de animação pelo mundo; Olho Neles!, com destaques entre os curtas nacionais; e Futuro Animador, que traz filmes com linguagens da animação para experiências educativas.

Na edição 2017 também haverá as Sessões Petrobras, com os filmes que foram premiados nos 25 anos do festival; uma retrospectiva dos cem anos da animação brasileira; e o Foco Canadá, país onde os criadores do Anima Mundi se conheceram em cursos da área e que completa 150 anos de independência em 2017, que receberá uma mostra em parceria com o Consulado canadense.

Em 25 anos, o Anima Mundi recebeu público de 1,2 milhão de pessoas, exibiu mais de 9 mil filmes, de 70 países, e criou cerca de 120 mil animações nas oficinas.

No Rio de Janeiro, as exibições ocorrem no Cine Odeon – Centro Cultural Luiz Severiano Ribeiro, Centro Cultural Banco do Brasil, Centro Cultural da Justiça Federal, Espaço Cultural BNDES, Centro Cultural Correios, Casa França-Brasil, Cinemateca e pilotis do MAM. Em São Paulo, será na Caixa Belas Artes, Centro Cultural Banco do Brasil, Centro Cultural São Paulo, Cinemateca Brasileira e com sessões gratuitas pelo Circuito SP Cine e Centros Educacionais Unificados da Cidade de São Paulo (CEUs).

Também há sessões previstas para datas posteriores ao festival, até o dia 30 de julho no Rio de Janeiro; até 6 de agosto, em São Paulo; em Porto Alegre, na Cinemateca Capitólio Petrobras, de 10 a 13 de agosto; e no Centro Cultural Banco do Brasil em Brasília de 5 a 12 de outubro. A programação completa pode ser consultada no site www.animamundi.com.br

O Kaiser

A partir de uma única imagem de referência de O Kaiser, em 2013 o projeto Luz Anima Ação reuniu oito animadores para refazer o filme, que faz referência ao contexto geopolítico internacional da época, em plena Primeira Guerra Mundial. O resultado é Reanimando O Kaiser, que misturou diversas técnicas para recriar a história refletindo a atual diversidade da animação feita no Brasil.

Participaram do projeto Marcelo Marão, Zé Brandão, Pedro Iuá, Stil, Rosana Urbes, Diego Akel, Marcos Magalhães e Fabio Yamaji. O filme pode ser conferido em https://vimeo.com/117124801.

Linha do Tempo animação

*Colaborou Tâmara Freire, repórter da Rádio Nacional e apresentadora do Curta em Cena, da TV Brasil

Edição: Fernando Fraga