Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Brasil pedirá esforço de países avançados para aumentar crescimento global

Publicado em 07/10/2014 - 19:03

Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil Brasília

Ministro da Fazenda, Guido Mantega, durante coletiva sobre previsao do FMI (Fabio Rodrigues Pozzebom /Agência Brasil)

Mantega:  desenvolvidos  precisam reativar produção e consumoFabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil

O Brasil pedirá que os países avançados se esforcem para aumentar o crescimento econômico global, disse hoje (7) o ministro da Fazenda, Guido Mantega. O tema será discutido na reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, no próximo fim de semana.

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, e o secretário de Relações Internacionais do Ministério da Fazenda, Carlos Cozendey, representarão o país no encontro, que ocorrerá de quinta-feira (9) a domingo (12). Mantega não viajará para os Estados Unidos.

De acordo com Mantega, os países haviam se comprometido a discutir medidas para estimular a economia mundial na última reunião do FMI, em abril. “Agora, cada país vai dizer ao fundo como pretende contribuir para elevar o crescimento do PIB [Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas no país]. A agenda foi colocada porque falta crescimento na economia mundial”, explicou.

Mantega disse esperar que os países desenvolvidos tomem medidas mais eficientes para reativar a produção e o consumo, principalmente das economias europeias. “A Europa tem duas saídas. Ou faz o mesmo que os Estados Unidos, que adotaram uma política monetária forte [injetando dólares para estimular a economia], ou adota medidas fiscais [aumentando os gastos públicos]. O continente representa um terço da economia mundial, e não dá para ficar sem uma perna”, afirmou o ministro.

Segundo o ministro, a estagnação da Europa tem impacto sobre todo o planeta, sendo parcialmente responsável pela desaceleração da China e das demais economias asiáticas, que exportam bastante para a União Europeia. Mantega ressaltou que, das economias avançadas, estão crescendo apenas os Estados Unidos, com atraso no mercado consumidor, e o Reino Unido, com sinais contraditórios.

“Até a Alemanha, que é competitiva e grande exportadora, está em dificuldades. A produção industrial e a confiança do empresário estão caindo no país [maior economia da Europa]. As curvas da produção industrial da Alemanha são semelhantes às do Brasil. É um fenômeno mundial [o recuo da indústria]”, destacou.

Na avaliação do ministro, o Brasil tornou-se exemplo para o mundo ao aumentar os gastos públicos para manter o emprego e o consumo após o início da crise econômica mundial. Para ele, a redução do superávit primário – economia de recursos para pagar os juros da dívida pública – impediu o agravamento da crise no país.

“Antes de a crise começar, fui o primeiro a subir superávit. Em 2008, fizemos superávit de 3,5% do PIB mais 0,5% do Fundo Soberano. Quando a economia está em condições favoráveis, podemos fazer superávit primário maior. Quanto tem crise, gastamos mais para que a economia não seja derrubada”, defendeu Mantega. De acordo com o Banco Central, nos últimos 12 meses, o superávit primário soma apenas 0,94% do PIB.

A política fiscal, alegou o ministro, fez o Brasil ser um dos países do G20, grupo das 20 maiores economias do planeta, com maior expansão do PIB entre 2011 e 2014, apesar dos baixos índices de crescimento no período. “A política anticíclica diminui o superávit primário, mas mantém o crescimento”, justificou.

Edição: Nádia Franco

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas notícias