Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Norte, Nordeste e Centro-Oeste aumentam participação no PIB industrial

Publicado em 06/11/2014 - 12:30

Por Mariana Branco - Repórter da Agência Brasil Brasília

Indústria

Desconcentração da produção industrial favorece regiões como o Norte, Nordeste e Centro-OesteArquivo/Agência Brasil

A produção industrial brasileira desconcentrou-se das regiões Sul e Sudeste e está mais presente no Norte, Nordeste e Centro-Oeste ao longo de uma década. No Sudeste, o estado de São Paulo, maior parque industrial do Brasil, foi o responsável pela retração, já que o Rio de Janeiro e Minas Gerais registraram aumento na participação produtiva. Os dados estão em mapa divulgado hoje (6), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), com o perfil do setor nos 27 estados.

Segundo o levantamento da CNI, entre 2001 e 2011, o Norte, Centro-Oeste e Nordeste, aumentaram, respectivamente, 1,9; 1,3 e 0,6 ponto percentual a participação no Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e riquezas produzidos no país) da indústria. No Sul e Sudeste, o movimento foi contrário, com queda respectiva de 2,1 e 1,7 ponto percentual na participação.

Especificamente nos estados, a maior queda ocorreu na participação de São Paulo (7,7 ponto percentual), seguido pelo Rio Grande do Sul (1,2 ponto percentual), Paraná (1 ponto percentual) e pela Bahia (0,2 ponto percentual). Por outro lado, aumentaram mais significativamente sua fatia no PIB industrial o Rio de Janeiro (2,5 ponto percentual), Minas Gerais (2,2 ponto percentual), o Tocantins (1,5 ponto percentual), Espírito Santo (1,2 ponto percentual) e Goiás (0,5 ponto percentual).

Na avaliação de Renato da Fonseca, gerente de Pesquisa da CNI, a redução na participação de São Paulo, que atualmente responde por 31,3% do PIB da indústria, tem relação com a saturação como grande centro. As regiões tradicionalmente menos industrializadas oferecem, além de espaço para crescimento, um mercado de consumo formado recentemente em função do aumento de renda.

Agronegócio

Agronegócio favorece crescimento industrial no Centro-Oeste, explica gerente da CNIArquivo/Agência Brasil

“[Os motivos são] congestionamento nos grandes centros, dificuldade para expandir. Essas empresas [que se instalam no Norte, Nordeste e Centro-Oeste] estão procurando ou se aproximar de mercados consumidores ou o fornecimento de insumos. No Centro-Oeste, a razão de [empresas] terem vindo, inicialmente, é o crescimento do agronegócio. Quando há crescimento, você começa a trazer mais demanda. Obviamente, incentivos também ajudam a empresa a se instalar”, ressaltou Fonseca.

Ele acredita que, com uma recuperação futura da indústria, o fenômeno da descentralização se intensificará. O setor atravessou retração nos últimos anos. Em 2003, sua participação no PIB brasileiro era 27,8%. Atualmente, está em 25%. “A descentralização, assim que se retomar o crescimento, vai voltar mais forte”, avalia o gerente de Pesquisa da CNI.

O levantamento da entidade foi feito a partir de bases de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério do Trabalho. As informações foram divulgados durante o 9° Encontro Nacional da Indústria, evento com o objetivo de apresentar as demandas da indústria e debater as perspectivas para o setor pelos próximos quatro anos.

Edição: Marcos Chagas

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas notícias