Você está aqui

Produção de veículos cai 2,5% em outubro

  • 06/11/2014 13h35publicação
  • São Paulolocalização
Flávia Albuquerque – Repórter da Agência Brasil

carros novos

Anfavea: venda de veículos novos e usados cresceu em  outubro       Marcelo  Camargo/Agência  Brasil

A produção de veículos automotores caiu 2,5% em outubro na comparação com setembro. De acordo com balanço divulgado hoje (6), a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), no mês passado, foram produzidas 293.328 unidades, contra as 300.806 de setembro.

Na comparação com outubro do ano passado (322.514 unidades produzidas), houve queda de 9%. No acumulado de janeiro a outubro, a produção está em 2.677.528 unidades, 16% abaixo do resultado desse período no ano passado.

Segundo o presidente da Anfavea, Luiz Moan, a queda no mês passado foi bem inferior à do acumulado do ano, mas, como o nível de estoque está alto, a reduzir a produção é uma das maneiras de ajustar esse estoque. “A outra maneira é fazendo promoções, aumentando as vendas. Estamos trabalhando nas duas pontas.”

O licenciamento de veículos, no entanto, cresceu 3,6%, com a venda de 306.859 unidades ante as 296.294 vendidas em setembro. Na comparação com outubro de 2013, houve queda de 7,1%. No acumulado do ano, as vendas caíram 8,7% – foram comercializadas 2.833.333 unidades contra 3.110588 licenciadas no mesmo período do ano passado.

Moan destacou ainda que a venda de  veículos usados cresceu 8,5% em outubro em relação ao resultado do mês anterior. Foram vendidaos 953 mil usados. "No acumulado do ano, o crescimento está em 5,5%. Quisemos abordar esse número porque faz parte da cadeia de comercialização do setor e reflete que o desejo pela aquisição de um veículo permanece entre os consumidores”, disse Moan.

As exportações caíram 9,7%, com 23.503 unidades comercializadas no mercado externo, ante as 26.024 contabilizadas em setembro. Na comparação com outubro do ano passado, quando foram exportadas 51.819 unidades, houve queda de 54,6%. No acumulado do ano, a queda está em 40,4%. “A queda já era esperada e foi puxada pela diminuição no volume de importações pela Argentina. Embora já tenhamos assistido a uma pequena melhora nas exportações, a queda continua impactando bastante o desempenho [do setor]”, acrescentou o dirigente da Anfavea.

Ele ressaltou que não pretende rever as previsões feitas pela associação, porque diversos fatores que podem ajudar no volume de metas. “Esperamos que, até o final desta quinzena, o projeto de retomada do bem e de premiação do consumidor adimplente seja sancionado pela presidenta Dilma Rousseff. Será um ponto de inflexão muito forte no rumo de financiamentos do setor”, explicou.

Moan apontou ainda entre os fatores que podem impulsionar as vendas em novembro e dezembro o Salão do Automóvel, que foi visitado por muitas pessoas, tanto para conhecer os  veículos expostos, mas para escolher o modelo para comprar. "Temos ainda tipicamente novembro e dezembro como um período no qual as vendas aumentam."

Além disso, acrescentou o diretor da Anfavea, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) incidente sobre os veículos automotores será aumentado a partir de janeiro. "E é um aumento grande, na nossa visão, que vai impactar bastante o preço. A decisão de governo é muito clara neste momento: haverá aumento do IPI.”

De acordo com previsões da entidade, o setor deve fechar o ano com queda de 10% na produção, de 5,4% nas vendas e de 29,1% nas exportações.

Edição: Nádia Franco