Você está aqui

Abimaq defende mudanças no regime de partilha do pré-sal

  • 30/06/2015 16h48publicação
  • Brasílialocalização
Ivan Richard - Repórter da Agência Brasil

A Petrobras deve deixar de ser a operadora única do pré-sal e ficar desobrigada de manter participação mínima de 30% nos blocos licitados pelo governo para exploração de  petróleo, defendeu hoje (30) o diretor da Área de Petróleo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Alberto Machado.

Para ele, a liberação da exploração na camada do pré-sal para outras companhias, como prevê o Projeto de Lei 131/2015, do senador José Serra (PSDB-SP), ampliará a demanda do país por máquinas e equipamentos. O projeto de lei é debatido hoje (30) em sessão temática no plenário do Senado.

“Hoje, quando temos um cliente só, a indústria fica, de alguma forma, amarrada a esse cliente. E vemos, por exemplo, o que está acontecendo agora: se o cliente [Petrobras] tiver um pequeno problema, também temos um pequeno problema conduzido ou sendo conduzido para todo o setor”, disse Machado no debate sobre o regime de partilha e a participação da Petrobras na exploração do pré-sal.

Na avaliação do diretor da Abimaq, a obrigatoriedade de a Petrobras atuar na exploração do pré-sal pode prejudicar o planejamento estratégico da companhia. “A proposta [de mudança], na visão da Abimaq, não prejudica a Petrobras, porque existem salvaguardas, já hoje, para que a Petrobras tenha esse desenvolvimento [técnico]”, argumentou.

Edição: Beto Coura