Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Governo não usará reservas para controlar câmbio, diz ministro

Publicado em 27/07/2015 - 14:53

Por Luana Lourenço – Repórter da Agência Brasil Brasília

 

 O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa após reunião de coordenação política com a presidenta Dilma Rousseff (José Cruz/Agência Brasil)

Reservas de  US$ 350 bi permitem que o pais conduza sua  política  econômica  sem  recorrer  a organismos internacionais, diz Barbosa  José Cruz/Agência Brasil

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse hoje (27) que o governo não estuda usar as reservas internacionais para fazer caixa ou influenciar a flutuação do câmbio. Segundo o ministro, as reservas de US$ 360 bilhões permitem que o governo tenha autonomia sobre a política econômica do país.

“Não há decisão, nenhum plano de venda de reservas internacionais por parte do governo brasileiro”, disse Barbosa após a reunião de coordenação política desta segunda-feira (27), comandada pela presidenta Dilma Rousseff.

“O volume de reservas dá autonomia ao Estado brasileiro para conduzir sua política econômica sem ter que recorrer aos organismos internacionais e, principalmente, dá à sociedade brasileira a capacidade de suportar flutuações cambiais, sem gerar problemas financeiros e fiscais”, argumentou.

O ministro minimizou a resposta negativa dada pelo mercado à redução na meta de superávit primário, anunciada na última semana, e disse que as taxas cambiais irão se estabilizar. “Temos confiança de que os mercados vão se ajustar, e a taxa de câmbio tende a se estabilizar.”

Barbosa reconheceu que a economia brasileira atravessa dificuldades, mas disse que o governo tem “todo o controle da situação” e os instrumentos para reduzir o endividamento e a inflação e retomar o crescimento.

“Estamos em uma fase de reequilíbrio, de ajustes. Nesta fase há aumento temporário da inflação e retração do ritmo da atividade econômica, com flutuação de alguns preços. Mas a direção está mantida, de reequilíbrio macroeconômico, e principalmente a direção de recuperação do crescimento”, explicou.

Nelson está confiante na aprovação, pelo Congresso Nacional, da redução da meta de superávit primário do setor público para 2105, que caiu de R$ 66,3 bilhões para R$ 8,7 bilhões. A revisão tem que ser ratificada pelo Congresso, que precisará aprovar emendas à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2015 e ao projeto da LDO do próximo ano.

“Enviamos [ao Congresso] o que consideramos as metas adequadas, vamos defender a revisão. Acho que há um clima favorável de recepção da revisão por parte do Congresso”, ponderou Barbosa.

Edição: Beto Coura

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas notícias