Digite sua busca e aperte enter

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, participa da abertura da 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) Fabio Rodrigues Pozzebom/Agênci

Compartilhar:

Ministro defende protagonismo em inteligência artificial para o país

Publicado em 22/10/2019 - 19:06

Por Pedro Ivo Oliveira - Repórter da Agência Brasil Brasília

Anfitrião da 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, o ministro Marcos Pontes falou hoje sobre os planos do governo para uma política nacional de inteligência artificial. De acordo com o ministro, as diretrizes para regular a nova tecnologia devem ser lançadas até o final deste ano.

O Brasil tem uma Estratégia Digital (E-digital), lançada em 2018, apenas com diretrizes gerais para a transformação digital do país. A política nacional servirá de guia para a pesquisa, desenvolvimento e uso de aplicações de inteligência artificial. “A ideia é que o Brasil não fique para trás nessa área. Não tem como voltar atrás. Temos que acompanhar e ser protagonistas em tecnologia”, disse Marcos Pontes.

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações vai inaugurar, em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), oito laboratórios voltados para a pesquisa no campo de inteligência artificial ainda este ano. Destes, quatro terão áreas específicas: indústria, agronomia, cidades e saúde.

“Essa tecnologia [inteligência artificial], combinada com a internet das coisas e a quinta geração de internet móvel que está chegando ao Brasil, mudará a vida das pessoas. E o governo estará pronto para protagonizar essa mudança”, afirmou o ministro.

Astronautas brasileiras

Questionado sobre a primeira caminhada espacial protagonizada por mulheres, que ocorreu na última sexta-feira, Pontes respondeu que o Centro Espacial de Alcântara poderá, no futuro, formar turmas de astronautas brasileiros e também realizar caminhadas espaciais.

“Já estamos dominando várias tecnologias de lançamento, entre as quais a queima de propelente líquido. Mas temos que avançar nosso programa espacial, construir, testar e lançar satélites próprios. A partir daí, podemos partir para um programa espacial que seja soberano. Eu teria muito orgulho de treinar um grupo assim”, concluiu o ministro.

Edição: Nádia Franco

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas notícias