Você está aqui

Gilberto Carvalho reafirma no Rio legados para o país com a Copa

  • 28/04/2014 23h19publicação
  • 28/07/2016 22h06atualização
  • Rio de Janeirolocalização
Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil

O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, reafirmou hoje (28), no Rio de Janeiro, que a Copa do Mundo  vai gerar legados para o país. Ele participou do seminário Diálogos Governo-Sociedade Civil: Copa 2014, realizado na sede do Sindicato dos Bancários, no centro do Rio.

"Quem mora no Rio sabe o que é a transformação que a cidade está sofrendo neste momento. São tantas obras, que até atrapalham a vida da cidade. É uma transformação extraordinária. O que acontece no Rio, você vai ver em Manaus, em Cuiabá, em Natal, em Brasília. Não são só aeroportos, mas várias avenidas e obras muito importantes. Depois das manifestações de junho, a presidenta determinou o destino de R$ 50 bilhões para a mobilidade urbana. E isso começa a dar frutos", ressaltou.

Carvalho também destacou como legado o fato de o Brasil ficar, durante 40 dias, no foco dos acontecimentos mundiais. "Você imagina a multiplicação no turismo que vai ocorrer em uma cidade como Manaus? A África do Sul dobrou o turismo no ano seguinte à Copa."

A plateia que lotou o auditório do sindicato era formada por blogueiros, ativistas da mídia, sindicalistas, lideranças comunitárias, trabalhadores e estudantes. Além das questões diretamente relacionadas com a Copa, foram levantados temas como a necessidade de maior apoio oficial para a cultura, o exagero na repressão policial às manifestações de rua, as remoções de moradores para obras da Copa e também das Olimpíadas.

Embora o clima tenha esquentado em diversos momentos, com manifestantes gritando slogans contra a Copa, o ministro manteve a calma e anotou todas as reivindicações, respondendo a cada uma e prometendo voltar ao Rio para resolver eventuais pendências ou receber em Brasília as lideranças sociais.

Um documento em forma de livreto, elaborado pelo governo, foi distribuído aos presentes, trazendo informações sobre os investimentos na Copa. Segundo os dados, os únicos investimentos feitos exclusivamente para a competição se limitam a R$ 8 bilhões, que são as obras dos estádios. Desses, o governo federal financiou R$ 4 bilhões, por meio de empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, valor que voltará aos cofres públicos.

Em investimentos estratégicos, públicos e privados, serão R$ 17,6 bilhões: R$ 8 bilhões em mobilidade, R$ 6,3 bilhões nos aeroportos, R$ 1,9 bilhão em segurança, R$ 600 milhões em portos, R$ 400 milhões em telecomunicações e R$ 200 milhões em turismo.

 

Edição: Stênio Ribeiro