Rio: ambientalistas orientam frentistas a não encher tanque "até a boca"

Publicado em 10/04/2015 - 13:31 Por Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Entram hoje (7) em vigor os novos preços da gasolina e do óleo diesel. O reajuste da gasolina é de 3%. Já o aumento do diesel será de 6%. (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Expostos ao benezeno, frentistas podem ter doenças como câncer de pulmão e leucemia Arquivo/Agência Brasil

Ambientalistas e o deputado estadual Carlos Minc (PT-RJ) promoveram hoje (15) um ato para conscientizar motoristas do Rio de Janeiro sobre os riscos de encher o tanque de gasolina "até a boca". Ao pedir para que os frentistas abasteçam o tanque além da programação automática das bombas, eles expõem os profissionais a níveis até três vezes maiores de benzeno, substância considerada cancerígena.

O médico do trabalho Luiz Roberto Tenório explica que a exposição, ainda que pequena, causa problemas de saúde, por ser diária e prolongada. "Quando se manda encher o tanque [além do travamento], esse pouquinho [a mais] que passa faz com que o benzeno contamine os frentistas. E essa contaminação por benzeno é muito perigosa porque pode causar câncer de pulmão e é responsável por uma doença muito grave que é a leucemia."

Tenório destaca que a contaminação crônica por benzeno pode levar a complicações no fígado e nos rins e causar insuficiência renal e depressão. Para os motoristas, não há riscos, já que a exposição não é prolongada.

A prática de abastecer além do travamento automático da bomba já é proibida por lei no estado do Rio. Em vigor desde 21 de janeiro deste ano, a Lei 6.964/2014 prevê multa de 5 mil unidades fiscais de referência (Ufirs) – R$ 13.559 mil – para os postos de gasolina que descumprirem a legislação. O valor pode chegar a R$ 27.119 mil, caso haja reincidência.

Carlos Minc

Ex-ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc pede a população para antar de bicicleta e dar prioridade

ao  transporte  público      Arquivo/Agência  Brasil

Ex-ministro do Meio Ambiente e ex-secretário estadual do Ambiente, Minc participou de uma medição de níveis de exposição de benzeno em um posto de gasolina da zona sul da cidade. Ele disse que os motoristas que optarem por usar gasolina precisam ter esses riscos em mente: "as pessoas têm que ter consciência do quanto estão expondo milhares de pessoas a essas doenças.”

“Os cidadãos devem priorizar o transporte público e a bicicleta e, caso andem de carro, [usem] álcool em vez de gasolina. A medição constatou que os níveis de benzeno expelidos chegaram a ser três vezes maiores quando o tanque foi abastecido até a boca”, informou o parlamentar.

Para o vice-presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência do Município do Rio de Janeiro,  João Batista de Moura, é preciso que mais motoristas conheçam a nova legislação e a respeitem.

Ele disse que, além de prejudicar a saúde dos frentistas, encher o tanque até a boca danifica a peça que faz o tanque "respirar". "Tem um motivo ambiental e um motivo mecânico. Completar o tanque é uma coisa, encher até a boca é outra coisa", argumentou.

Gerente do posto de gasolina em que foi feita a medição, Mônica de Souza, de 46 anos, trabalha em postos de gasolina há 14 anos, conta que os motoristas pedem com frequência para encher o tanque ao limite. "Insistem, brigam, mas a gente explica que pode prejudicar o carro dele e que não é certo, e eles entendem."

Edição: Marcos Chagas

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias