Você está aqui

Profissionais são capacitados para atuar em áreas com risco de desastre natural

  • 26/05/2015 16h43publicação
  • Rio de Janeirolocalização
Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil

A Federação de Instituições Beneficentes do Rio de Janeiro (FIB-RJ) capacitará profissionais do sistema de garantia dos direitos, saúde, educação, assistência social e defesa civil da infância e adolescência, para desenvolverem ações de prevenção em áreas suscetíveis a desastres naturais. A ação conta com o apoio do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda). “A gente está trabalhando sob a ótica da prevenção”, disse hoje (26) a psicóloga Roberta Dutra, especialista em redução de risco de desastres e mudanças climáticas em bases comunitárias e governamentais.

 

Petrópolis

Taxa de mortalidade de crianças e adolescentes em acidentes provocados por inundações, tempestades e deslizamentos chega a 6,3 por 100 milTânia Rêgo/Agência Brasil

Ela destacou que as crianças e adolescentes, além de mulheres, idosos e pessoas com deficiência, estão entre o público mais vulnerável a desastres naturais. De acordo com o Mapa da Violência de 2012, a mortalidade de crianças e adolescentes por acidentes que envolvem forças da natureza, entre os quais inundações, tempestades e deslizamentos de terra, chega a 6,3 por 100 mil. “Por isso, é importante a gente fortalecer essa cultura [da prevenção]”, destacou a psicóloga.

Para isso, será desenvolvido o curso gratuito Rede para Proteção da Infância em Situação de Desastres Naturais. A aula inaugural será no dia 18 de junho, no Rio de Janeiro, seguida de 32 horas de aulas presenciais e a distância. Serão ministradas aulas a distância também nas cidades de Florianópolis, em 18 de julho; Manaus, em 15 de agosto; Salvador, em 12 de setembro; e Brasília, em 17 de outubro.

Alguns países que já desenvolvem ações de prevenção na área de desastres naturais, como o Japão, estão avançados no treinamento e na formação de profissionais. Roberta lembrou que a partir da tragédia que ocorreu na região serrana fluminense, em janeiro de 2011, que matou pelo menos 900 pessoas e deixou mais de 7 mil desabrigados, foi aprovada a Lei 12.608/2012, que instituiu a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil, cuja diretriz é a questão da prevenção.

A expectativa é capacitar ao menos 400 profissionais para o apoio a crianças e adolescentes atingidos por desastres naturais e mudanças climáticas em todo o país. A presidenta da FIB-RJ, Deise Gravina, destacou que esse público-alvo é vulnerável em situações de riscos e desastres não só por suas consequências imediatas, mas pelos problemas que resultam dessas situações ao longo do tempo.

Edição: Marcos Chagas