Você está aqui

Capital paulista confirma três casos de vírus Zika

  • 06/01/2016 12h41publicação
  • São Paulolocalização
Flávia Albuquerque - Repórter da Agência Brasil

Mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão dos vírus da dengue, febre chikungunya e Zika

Segundo a Secretaria de Saúde de São Paulo, dos três casos confirmados, um paciente procedente do estado da Bahia e os outros dois  com históricos de viagens para áreas de riscos  Arquivo/Agência Brasil


 

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de São Paulo confirmou três casos importados de vírus Zika, no ano passado, na cidade de São Paulo. Desses, um caso de paciente procedente do estado da Bahia e os outros dois com históricos de viagens para áreas de riscos. Até o momento, nenhum caso autóctone de vírus Zika foi registrado na capital paulista.

Com relação aos casos de microcefalia associada à infecção pelo Zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, foram notificados quatro casos suspeitos.

Segundo a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, os seis casos são de bebês nascidos nas cidades de Campinas, Guarulhos, Mogi-Guaçu, Ribeirão Preto, São Paulo e Sumaré. No caso de São Paulo, a gestante tem histórico de viagem à Região Nordeste. Ela chegou a São Paulo com 37 semanas de gestação. Os demais casos estão sendo tratados, no momento, como autóctones.

Todos preenchem os requisitos clínicos necessários para definição de caso ligado à infecção pelo vírus Zika: as gestantes apresentaram manchas avermelhadas pelo corpo durante a gestação e tiveram exames negativos para rubéola, toxoplasmose, sífilis, herpes e citomegalovírus. “Em quatro dos seis casos os resultados de tomografia computadorizada mostraram presença de calcificação no cérebro dos bebês, o que pode sugerir infecção pelo Zika”, informou a secretaria.

De acordo com a secretaria, não existe um exame sorológico disponível na rede pública de saúde para confirmação laboratorial de Zika. Somente este exame seria capaz de apontar anticorpos do vírus no sangue das mães cujos filhos nasceram com microcefalia, bem como atestar infecções de pessoas com os sintomas da doença.

“Por meio da rede de laboratórios do Instituto Adolfo Lutz, a Secretaria de Estado da Saúde vem fazendo testes de RT-PCR (Reação em Cadeia da Polimerase, com Transcriptase Reversa, em Tempo Real) em amostras que deram negativas para dengue, visando identificar o genoma do vírus Zika. Esses exames são aplicados sobretudo em regiões em que há notificação de casos de microcefalia. Até o momento, nenhum teste deu positivo para zika”, diz a secretaria.

De 17 de novembro até 10 de dezembro, os municípios notificaram 46 casos de microcefalia ao Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria.

* Texto atualizado às 14h28 para correção de informação. A Secretaria Municipal informou que foram notificados quatro casos suspeitos de microcefalia com relação ao vírus Zika e que não há casos em investigação, como informado anteriormente.

Edição: Valéria Aguiar