Você está aqui

Combate ao Zika ajuda a ampliar investimentos em pesquisa e prevenção

  • 29/01/2016 11h39publicação
  • Brasílialocalização
Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil
larvas do mosquito Aedes Aegypti

Países estão se unindo para combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus Zika

Arquivo/Agência Brasil

A mobilização de outros países no combate ao vírus Zika ajuda não apenas a conter a disseminação do Aedes aegypti, mas também a ampliar os investimentos em atividades de pesquisa e prevenção. A avaliação é do diretor do departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch.

"Quanto mais gente, quanto mais países e investigadores, quanto mais governos e população houver envolvidos no combate à doença, maior a probabilidade de que nós tenhamos nova soluções e resultados positivos", destacou.

Maierovitch lembrou que os avanços científicos mais rápidos já registrados em saúde ocorreram quando o mundo percebeu que havia uma ameaça importante e que eram necessários esforços conjuntos para enfrentá-la. Isso abre caminho, segundo ele, para mais recursos de diferentes partes e para que cientistas se unam em vez de competir.

"Assim como o Brasil está preocupado com o Zika vírus e com a eliminação do mosquito, hoje, o mundo inteiro percebe esse perigo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) chama os países a se mobilizar para reunir recursos que possam combater o mosquito e que possam enfrentar a doença também."

A OMS convocou ontem (28) um comitê de emergência para tratar do aumento de infecções pelo vírus Zika, bem como do registro de casos de anomalias congênitas em bebês e de síndromes possivelmente associadas à doença. O grupo se reúne na próxima segunda-feira (1º) e deve decidir se decreta situação de emergência em saúde pública de interesse internacional.

Edição: Talita Cavalcante