Você está aqui

Movimento Social de Luta diz que fica na sede do Incra pelo menos até amanhã

  • 11/01/2016 20h06publicação
  • Brasílialocalização
Felipe Pontes – Repórter da Agência Brasil

Brasília - Movimento Social de Luta afirma que resiste na ocupção da sede do Incra pelo menos até amanhã (Valter Campanato/Agência Brasil)

Movimento Social  de  Lutas  diz  que ocupação do prédio do Incra, em Brasília, continuaValter Campanato/Agência Brasil

Após se reunir com representantes da Ouvidoria Agrária Nacional durante a tarde, os manifestantes que ocupam a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Brasília disseram que vão permanecer no local pelo menos até amanhã (12), quando esperam receber uma resposta, por escrito, com a garantia de que suas reivindicações serão atendidas. 

Provenientes do Distrito Federal (DF), de Goiás e de São Paulo, os integrantes do Movimento Social de Luta (MSL) chegaram ao local por volta das 4h da manhã de hoje (11) e impediram a entrada de servidores por meio do bloqueio da entrada principal.

O MSL informou que 450 famílias se encontram no edifício, que teve os corredores de pelo menos 11 andares preenchidos com colchões. Brasília - Movimento Social de Luta afirma que resiste na ocupção da sede do Incra pelo menos até amanhã (Valter Campanato/Agência Brasil)

Militantes espalharam colchões pelos corredores de 11 andares do prédio Valter Campanato/Agência Brasil

As salas de trabalho não foram abertas. De manhã, a Polícia Militar (PM) do DF estimou que cerca de 150 pessoas ocupavam os arredores do prédio. 

De acordo com o diretor-geral do MSL, Hugo Zaidan, a pauta de reivindicações inclui o reconhecimento da bandeira do movimento, recém-constituído como representante de um total de oito acampamentos e 4,5 mil famílias, assim como a retomada do fornecimento de cestas básicas nos assentamentos, a vistoria de áreas ocupadas e o cadastramento das famílias. Segundo Zaidan, ocupações similares foram registradas hoje nos estados de São Paulo e Mato Grosso.

"O pessoal da Ouvidoria [Agrária Nacional] ficou de levar nossa pauta para a diretoria do Incra. Se eles aprovarem, trazendo o documento por escrito, nós partiremos amanhã", disse Zaidan. De início, o MSL exigia reunir-se com a presidenta do Incra, Lúcia Falcão, mas flexibizou a demanda após ser informado que ela se encontra de férias. A diretora administrativa do Incra, Cleide Souza, esteve no local de manhã. 

Em nota, o Incra diz que aguarda a desocupação de suas unidades nesta terça-feira (12) para retomada de suas atividades e reitera que a liberação de suas instalações é condição essencial para discutir a pauta relativa à reforma agrária.

Edição: Nádia Franco