Você está aqui

Prestação mínima do Minha Casa, Minha Vida vai aumentar em novos contratos

  • 08/01/2016 18h45publicação
  • Brasília localização
Paulo Victor Chagas e Ana Cristina Campos - Repórteres da Agência Brasil

A prestação mensal do financiamento para a faixa de renda mais baixa do Programa Minha Casa, Minha Vida vai sofrer reajuste neste ano. O aumento na prestação vai passar a valer para os novos contratos do programa habitacional, que começarão a ser assinados até fevereiro.

Por e-mail, o Ministério das Cidades confirmou à Agência Brasil o reajuste nos novos contratos do programa para a prestação mínima. De acordo com a assessoria, no entanto, a nova mensalidade ainda não foi definida.

A presidenta Dilma Rousseff participa de cerimônia de entrega de 1.484 unidades habitacionais do Programa Minha Casa, Minha Vida em Cosmos, na zona oeste da capital fluminense (Tomaz Silza/Agência Brasil)

Imóveis do Minha Casa, Minha Vida no Rio de Janeiro. Prestação mínima do programa, de R$ 25, será reajustada para novos contratosTomaz Silva/Agência Brasil

A prestação mínima atual para os beneficiários da Faixa 1 do programa é R$ 25.  O novo valor está sendo discutido pelo governo e deve ser anunciado antes do início das contratações da terceira fase do Minha Casa, Minha Vida, no final deste mês ou no começo de fevereiro.

A Faixa 1 contempla famílias com renda mensal de até R$ 1,6 mil e concentra os beneficiários que mais recebem subsídios do governo para a aquisição da casa própria. No Minha Casa, Minha Vida 3, essa faixa passará a englobar famílias que ganham até R$ 1,8 mil por mês.

Na Faixa 1, cerca de 95% do valor do imóvel é financiado pelo governo e não há cobrança de juros. Os demais beneficiários do programa pagam as mensalidades seguindo as regras das taxas de juros de cada financiamento.

Em setembro do ano passado, o governo anunciou o reajuste dos juros cobrados no programa, que passarão a variar de 5% a 8%, segundo as novas regras. Também foi anunciada a criação de uma faixa intermediária de renda, para famílias que ganham entre R$ 1,6 mil e R$ 2.350 mensais

Edição: Luana Lourenço