Você está aqui

Sistema de esgoto não chega a 70% da população do Semiárido

  • 12/01/2016 14h47publicação
  • Fortalezalocalização
Edwirges Nogueira – Repórter da Agência Brasil

Brasil é o 112 pais em saneamento basico

Dejetos são jogados em fossas, sumidouros, valas abertas ou diretamente nos rios quando não há sistema de esgoto sanitárioArquivo/Agência Brasil

Das 14 milhões de pessoas que moram nas áreas urbanas dos 1.135 municípios do Semiárido brasileiro, cerca de 10 milhões (71%) não são beneficiadas com coleta de esgoto sanitário, destinando os dejetos gerados em fossas, sumidouros, valas abertas ou diretamente nos rios. A estimativa consta da publicação “Esgotamento Sanitário: Panorama para o Semiárido brasileiro”, lançada pelo Instituto Nacional do Semiárido (Insa).

Desse total, apenas 243 cidades (21%) usam a coleta. O Semiárido cearense apresenta o maior número de sedes municipais atendidas por sistema de esgoto: são 68 de 150 (45%). Já o Piauí tem o menor número de áreas urbanas beneficiadas: apenas 5 municípios de 128 (4%).

Segundo os dados, a cobertura não garante o atendimento a todos. Das 7,3 milhões de pessoas que moram nessas áreas urbanas, cobertas por sistema de esgoto, mais da metade (66%) não é beneficiada. No Ceará, por exemplo, apenas 743 mil pessoas (34%) – das 2,1 milhões que vivem nas sedes municipais com esgotamento sanitário – são atendidas.

A pesquisa do instituto mostra ainda que a maioria das sedes municipais que possuem sistema de coleta de esgoto conta com estações de tratamento. Pelo menos 21%) dos volumes coletados são lançados diretamente em valas a céu aberto ou em corpos hídricos, expondo os habitantes das cidades a diversas doenças.

A extensão da rede de esgoto é outro aspecto analisado no panorama. A pesquisa estima que a rede que atravessa as cidades do semiárido tem pouco mais de 8 mil quilômetros. O número é seis vezes menor do que a rede de abastecimento de água. No Semiárido alagoano, essa diferença chega a ser 31 vezes menor.

 

Edição: Maria Claudia