Você está aqui

Governo investiga "com maior profundidade" morte por Zika, afirma ministro

  • 11/02/2016 13h38publicação
  • Brasílialocalização
Paula Laboissière - repórter da Agência Brasil

Brasília - O ministro da Saúde, Marcelo Castro, anuncia novos recursos e parcerias com entidades internacionais para combate ao vírus Zika (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O ministro Marcelo Castro disse que a morte já foi informada à OMSMarcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, disse hoje (11) que a pasta estuda "com maior profundidade" a terceira morte registrada no país associada ao vírus Zika. O caso aconteceu em abril de 2015, mas os resultados dos exames saíram apenas agora. A paciente tinha 20 anos e morava no município de Serrinha, no Rio Grande do Norte.

“A informação que nós temos é que foi Zika”, disse Castro, ao destacar que a Organização Mundial da Saúde (OMS) já foi comunicada sobre o óbito. A morte da paciente se soma a outras duas identificadas no Brasil em decorrência da infecção pelo vírus.

Durante entrevista coletiva, o diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch, lembrou que, como não é comum uma pessoa jovem morrer rapidamente de pneumonia, outros exames foram feitos na paciente até que se chegasse a um resultado positivo para Zika.

“Mortes pelo Zika nunca haviam sido descritas”, disse Maierovitch, ao ressaltar que a última epidemia do vírus, registrada na Polinésia Francesa, ocorreu em uma população muito menor que a brasileira.

“Não é possível afirmar que o Zika foi a causa exclusiva da morte”, completou. “Quando há uma epidemia muito grande, as pessoas podem morrer por outras causas e também ter o vírus”, acrescentou o diretor.

>> Leia mais matérias da Agência Brasil sobre o tema

Edição: Juliana Andrade