Você está aqui

Indústria recua 0,7% em dezembro e fecha 2015 com queda acumulada de 8,3%

  • 02/02/2016 10h08publicação
  • Rio de Janeirolocalização
Nielmar de Oliveira – Repórter da Agência Brasil
Indústrias

Com a retração de dezembro do ano passado, a indústria encontra-se atualmente 19,5% abaixo do nível recorde alcançado pelo setor em junho de 2013 Arquivo/Agência Brasil

A produção industrial brasileira fechou 2015 com retração acumulada de 8,3%. Os dados divulgados hoje (2) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a indústria também registrou queda (0,7%) em dezembro de 2015, na comparação com novembro.

A pesquisa indica ainda que a produção industrial no país em dezembro do ano passado na comparação com dezembro de 2014 recuou ainda mais (11,9%) e no acumulado dos últimos 12 meses, o parque fabril brasileiro registrou a maior queda desde novembro de 2009, ao fechar o período em 8,3%.

Segundo avaliação dos técnicos do IBGE, em dezembro do ano passado a indústria deu seguimento ao ritmo produtivo menor, “expresso não só no sétimo resultado negativo consecutivo em relação ao mês imediatamente anterior (maior sequência de quedas da série histórica), mas também no predomínio de taxas negativas em dezembro, quando a maior parte das atividades pesquisadas reduziu a produção”.

Para se ter uma dimensão exata do quadro recessivo do setor, o IBGE ressaltou o fato de que com a retração de dezembro do ano passado, a indústria encontra-se atualmente 19,5% abaixo do nível recorde alcançado pelo setor em junho de 2013.

Na comparação com dezembro de 2014, o setor industrial teve o 22º resultado negativo consecutivo. Com isso, no fechamento de 2015, a queda acumulada de 8,3%, além de ser a mais intensa da série histórica, iniciada em 2003, aponta predomínio de taxas negativas entre as grandes categorias econômicas e as atividades pesquisadas. Destacam-se os recúos nos setores de bens de capital e bens de consumo duráveis.

Categorias econômicas

De uma maneira geral, a indústria teve comportamento negativo ao longo de todo o ano passado, com maior intensidade de queda na passagem do primeiro para o segundo semestre (de -5,9% para -10,5%), na comparação com os mesmos períodos do ano anterior.

Na comparação entre o primeiro e segundo semestres do ano passado, os dados do Pesquisa Industrial Mensal mostram queda na produção das quatro principais categorias pesquisadas, com destaque para os bens de capital (de -19,8% no primeiro semestre para -31,2% no segundo) e bens de consumo duráveis (de -14,1% para -23,2%). No caso, as quedas mais intensas se devem especialmente pela redução na produção de bens de capital para equipamentos de transporte (de -25,7% para -35,9%) e de automóveis (de -14,5% para -24,3%).

Os segmentos de bens intermediários, depois de fechar o primeiro semestre com retração de 2,7%, aumentou a queda acumulada para 7,6%, no segundo; enquanto bens de consumo semi e não-duráveis, passou de -6,5% para -6,8%, entre um período e outro.

Queda generalizada

A queda acumulada de 8,3% em 2015 mostra um perfil disseminado de taxas negativas, já que as quatro grandes categorias econômicas pesquisadas caíram, assim como 25 dos 26 ramos avaliados, 71 dos 79 grupos e 78,3% dos 805 produtos investigados na pesquisa do IBGE.

Entre os setores, o principal impacto negativo veio de veículos automotores, reboques e carrocerias (-25,9%), pressionado, em grande parte, pela redução na produção de aproximadamente 97% dos produtos investigados, com destaque para os recuos registrados por automóveis, caminhões, caminhão-trator para reboques e semirreboques, veículos para transporte de mercadorias, autopeças, reboques e semirreboques e carrocerias para ônibus e caminhões.

Já entre as grandes categorias econômicas, os resultados para os doze meses de 2015 mostraram menor dinamismo entre bens de capital (-25,5%) e bens de consumo duráveis (-18,7%), especialmente com a redução na fabricação de bens de capital para equipamentos de transporte (-30,7%), no primeiro caso, e de automóveis (-19,4%) e eletrodomésticos (-22,1%), no segundo.

Os segmentos de bens de consumo semiduráveis e não duráveis (-6,7%) e de bens intermediários (-5,2%) também acumularam taxas negativas no ano. O primeiro segmento registrou recuo abaixo da média nacional (-8,3%), enquanto o segundo teve a queda mais moderada entre as grandes categorias econômicas.

Desempenho em dezembro

A redução de 0,7% da atividade industrial na passagem de novembro para dezembro de 2015 foi influenciada pela queda nas produções de 13 dos 24 ramos pesquisados. Entre os setores, as principais influências negativas vieram de máquinas e equipamentos (-8,3%), bebidas (-8,4%), metalurgia (-5%) e perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (-3,5%).

Outras contribuições negativas importantes sobre o total da indústria vieram das atividades de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-6,6%), de produtos de metal (-4,5%), de produtos têxteis (-9,1%), de produtos de minerais não-metálicos (-3,5%) e de produtos de madeira (-5,6%).

Entre as grandes categorias econômicas, os bens de capital recuaram 8,2%, único resultado negativo em dezembro de 2015. Por outro lado, os demais segmentos apontaram taxas positivas na comparação com novembro de 2015: bens de consumo duráveis avançou 9,4%, registrando a expansão e interrompendo quatro meses consecutivos de queda na produção, período em que acumulou retração de 18,1%. Os setores produtores de bens intermediários (0,7%) e de bens de consumo semi e não-duráveis (0,3%) assinalaram os avanços mais moderados no último mês de 2015.

 

Edição: Denise Griesinger