Você está aqui

Polícia Federal apreende três discos rígidos em endereços ligados à Samarco

  • 17/02/2016 19h18publicação
  • Belo Horizontelocalização
Léo Rodrigues – Correspondente da Agência Brasil
Mariana (MG) - barragem pertencente à mineradora Samarco se rompeu no distrito de Bento Rodrigues, zona rural a 23 quilômetros de Mariana, em Minas Gerais (Corpo de Bombeiros/MG - Divulgação)

A barragem pertencente à mineradora Samarco, rompida no distrito de Bento Rodrigues, em MarianaCorpo de Bombeiros/MG /Divulgação

A Polícia Federal apresentou nesta quarta-feira (17), em Belo Horizonte, os detalhes do cumprimento de um mandado de busca e apreensão de dados em três endereços ligados à Samarco. A operação é parte do inquérito que investiga e apura de responsabilidades do rompimento da Barragem do Fundão, em Mariana (MG), que deixou 17 mortos e impactos ambientais profundos na Bacia do Rio Doce em novembro de 2015.

As sedes da empresa em Mariana (MG) e Anchieta (ES) estiveram entre os alvos operação. O terceiro endereço foi a residência de um engenheiro, em Viçosa (MG). Ele prestava serviço para a mineradora e era responsável por laudos de estabilidade da Barragem do Fundão. Em cada endereço, foi feito o beckup de um disco rígido.

Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreenção sedes da empresa em Mariana e Anchieta

PF cumpre mandados de busca e apreensão em empresas ligadas à Samarco Léo Rodrigues/Agência Brasil

No mês passado, a Polícia Federal já havia indiciado a Samarco, a Vale, a empresa VogBR e mais sete executivos e técnicos por crimes ambientais. Segundo Roger Lima de Moura, delegado responsável pelo inquérito, a Samarco tinha, há pelo menos 7 anos, indicativos de que a barragem não estava saudável. "Também havia problemas no monitoramento, com equipamentos que não estavam funcionando. As causas justificaram o indiciamento", disse. O delegado explicou que o indiciamento da Samarco foi por crime doloso, porque a empresa teria assumido o risco ao utilizar a barragem e ampliar a produção, mesmo sabendo que ela operava em condições inadequadas.

Roger Lima de Moura ressaltou ainda que a operação de hoje foi "pensada" para ser uma "busca cirúrgica", em locais onde havia potencial de reunir informações importantes. O período para análise do material apreendido dependerá do volume dos dados. Os discos devem chegar à Belo Horizonte na quinta-feira (18).

Edição: Maria Claudia