Você está aqui

TV Brasil e mais três canais do Executivo ganham transmissão digital no Rio

  • 04/02/2016 14h10publicação
  • Rio de Janeirolocalização
Vinícius Lisboa - repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - O ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Edinho Silva durante cerimônia que marca o início das transmissões dos canais do Poder Executivo na TV digital aberta n

Para o ministro Edinho Silva, a ampliação da comunicação pública e da comunicação estatal é uma orientação da presidenta Dilma RousseffTânia Rêgo/Agência Brasil

A TV Brasil e mais três canais do  Poder Executivo chegam hoje (4) ao Rio de Janeiro em transmissão de TV digital aberta. A transmissão já era realizada em Brasília desde dezembro do ano passado e deve chegar a São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre ainda em 2016.

Os outros três canais disponíveis para os cariocas a partir de hoje em tecnologia digital são a NBR, a TV Escola, do Ministério da Educação e o Canal Saúde, criado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Os três serão exibidos em formato multiprogramação pela EBC no canal 2. A TV Brasil a NBR, a TV Escola e o Canal Saúde podem ser acessados, respectivamente, pelos canais 2.1, 2.2, 2.3 e 2.4.

O sinal poderá ser captado em 12 municípios fluminenses, somando uma população de 8,9 milhões de pessoas. A implantação dos canais do Poder Executivo é coordenada pelo Ministério das Comunicações. A meta é atingir 279 municípios com mais de 100 mil habitantes até 2019.

Rio de Janeiro - O ministro das Comunicações, André Figueiredo durante cerimônia que marca o início das transmissões dos canais do Poder Executivo na TV digital aberta no Rio (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

O ministro André Figueiredo destacou os investimentos na política de comunicação nos próximos anosTânia Rêgo/Agência Brasil

O ministro André Figueiredo destacou que os investimentos na política de comunicação nos próximos anos contribuirão para o Poder Público dialogar com a sociedade. "Vamos conseguir fazer com que a política de comunicação do governo federal, por meio da radiodifusão comunitária, seja um facilitador das ações finalísticas dos ministérios, dos governos estaduais, dos poderes Legislativo e Judiciário, bem como de toda a população brasileira."

O início da transmissão no Rio de Janeiro foi comemorado em uma cerimônia na sede fluminense da EBC, que reuniu, além de Figueiredo, os ministros da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Edinho Silva, e de Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera.

O secretário da Secretaria do Audiovisual, Pola Ribeiro, representou o Ministério da Cultura, e o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, o da Saúde.

De acordo com Edinho Silva, a ampliação da comunicação pública e da comunicação estatal é uma orientação da presidenta Dilma Rousseff. Ele afirmou que o desafio desse processo é não se perder do objetivo inicial de dialogar com a população.

"Quando a TV Brasil se torna um instrumento de democratização da comunicação nas áreas de saúde e educação, estamos efetivamente dando mais um passo na consolidação de nossa vocação", destacou Edinho Silva.

A EBC participará de aspectos técnicos do projeto, entre eles a formulação do procedimento para distribuir as programações, elaboração de projetos e aquisição de equipamentos. A EBC também será responsável pela implantação e manutenção das retransmissoras de televisão digital, que captam o sinal de satélites e retransmitem para o país.

O diretor vice-presidente da empresa, Mário Maurici, também participou da abertura. Segundo Maurici, o serviço oferecido na transmissão será interativo, simples e direto. "É um momento muito significativo na história da TV e da comunicação pública e estatal do país."

O ministro de Ciência Tecnologia e Inovação, Celso Pansera, chamou a atenção para a necessidade de o projeto estimular o interesse de jovens e crianças pela ciência. Para o ministro, o desafio que a EBC e os ministérios têm pela frente é o da consolidação. "É um desafio de consolidar uma nova forma de comunicação, de produção de conteúdo e de falar com a população."

Rio de Janeiro - O diretor vice-presidente da EBC, Mario Maurici durante cerimônia que marca o início das transmissões dos canais do Poder Executivo na TV digital aberta no Rio (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Diretor vice-presidente da EBC, Mario Maurici avaliou o momento como significativo na história da TV e da comunicação pública e estatal do paísTânia Rêgo/Agência Brasil

Presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, responsável pelo Canal Saúde, disse que a comunicação pública tem um papel de abordar os temas mais relevantes para a população.

"Reconhecemos a necessidade de uma comunicação que consiga chegar à população de maneira correta e trate dos temas centrais da nação." Gadelha disse considerar o canal uma janela para o diálogo da população com o Sistema Único de Saúde.

Trabalhando na elaboração de um canal do Ministério da Cultura, o secretário Pola Ribeiro destacou que a comunicação pública precisa refletir a diversidade da população.

"Um dos graves problemas do Brasil é a comunicação que só pensa no comercial e no privado. Nada contra, mas um país com essa diversidade não pode ter só uma comunicação privada."

Conforme Pola Ribeiro, o canal da Cultura deve chegar à internet ainda neste ano. Segundo o secretário, a outorga individual pode ser conseguida em 2017.

Edição: Armando Cardoso