Você está aqui

Bolsa Atleta quer aumentar número de beneficiários, diz coordenador do programa

  • 30/03/2016 10h53publicação
  • Rio de Janeirolocalização
Vinícius Lisboa - repórter da Agência Brasil

Com 11 anos de existência e mais de 6 mil beneficiados em seu último edital, o programa Bolsa Atleta está com as inscrições abertas até 7 de abril para praticantes de esportes olímpicos e paralímpicos, sejam iniciantes ou atletas de alto rendimento. Entre renovações e novas inscrições, a expectativa do Ministério do Esporte é que o número de atletas patrocinados cresça e que o benefício continue a ser concedido a todos os que atendem aos requisitos.

"Não existe um número de vagas limitado", disse o coordenador-geral do programa, Mosiah Rodrigues. Segundo ele, o programa é considerado prioritário no ministério. "O fator que limita o número de contemplados é a disponibilidade orçamentária que, nos últimos anos, não influenciou no corte de bolsas. Até agora, o orçamento atende a todos aqueles que cumprem os critérios. Estamos conseguindo beneficiar 100% dos atletas que percorrem o processo."

O primeiro passo é a inscrição online. Depois, é preciso comprovar uma série de requisitos, inclusive com a apresentação de um plano esportivo anual. "O que pedimos ali é o calendário do ano: as competições que vai participar, quando isso vai acontecer, a meta para cada evento. Com esses dados, conseguimos acompanhar e verificar se o atleta está atingindo ou não as metas".

O anúncio dos contemplados está previsto para o início de junho. Os atletas devem assinar um termo de adesão para começar a receber a bolsa. O benefício tem duração de um ano e sua renovação está diretamente ligada ao cumprimento do desempenho previsto no plano esportivo. Ainda não é possível estimar a quantidade de atletas que conseguirão a renovação. O ministério afirma que o percentual tem sido alto nos últimos anos.

"O critério principal é que o contemplado tenha resultado esportivo ao longo do ano. Aqueles que estavam recebendo o beneficio e que não obtiveram resultados, não conseguem renovar a bolsa, porque precisam cumprir o critério ano a ano. Temos, normalmente, um número maior de renovações e um número de atletas aderindo pela primeira vez ao programa".

Segundo o Ministério do Esporte, o Bolsa Atleta já concedeu mais 43 mil bolsas em seus 11 anos, com investimentos que ultrapassam R$ 600 milhões e fazem dele o maior programa do mundo em patrocínio esportivo individual e direto. Entre os beneficiários atuais, 3.557 são homens e 2.574 são mulheres.

Com a escolha do Brasil para sediar os Jogos Olímpicos, o governo federal criou a categoria mais elevada do programa, a Bolsa Pódio, que conta atualmente com 246 atletas. Eles recebem bolsas que variam entre R$ 5 e R$ 15 mil. Cerca de metade dos beneficiários, segundo Mosiah, pertence às categorias de base, estudantis ou iniciantes: "Quando foi criado o Bolsa Pódio, foi criada também a categoria de base, justamente para apoiar o atleta até o de alto rendimento."

Entre os anos de 2014 e 2015, o número de beneficiários teve uma queda de mais de 500 atletas de esportes olímpicos e paralímpicos, já que o edital de 2014 contemplou 6.667 pessoas. Para este ano, a torcida de Mosiah é que o número, que começou em 975 atletas em 2005, volte a subir.

"O número do ano passado foi um pouco menor que no ano anterior, mas tem ficado nessa faixa de 6 mil e poucos. A expectativa, a torcida, é para que este ano aumente. Como o número depende do resultado do atleta, da performance, a gente só pode ter expectativa. o que vai definir o número de inscrições e o benefício é o mérito".

Além dos 6.132 atletas olímpicos e paralímpicos, o Bolsa Atleta atende também a 1.001 atletas de modalidades não olímpicas, como o karatê, a patinação artística, beisebol e xadrez.

Edição: Maria Claudia