Você está aqui

Diversas categorias protestam contra PEC 55 em Pernambuco

  • 11/11/2016 10h43publicação
  • Recifelocalização
Sumaia Villela - Correspondente da Agência Brasil

Diversas categorias realizaram manifestações e paralisações em Pernambuco nesta manhã, contra a proposta de emenda à Constituição (PEC) 55, que estabelece um teto de gastos públicos para os próximos 20 anos.  Os protestos mobilizaram rodoviários, mulheres, centrais sindicais, movimentos de moradia e sem-terra.

Os rodoviários foram a primeira categoria a cruzar os braços temporariamente, com uma paralisação que durou das 4h às 8h. Apenas uma parte dos ônibus circulou na Região Metropolitana do Recife (RMR). Rodovias federais e avenidas importantes da capital pernambucana foram bloqueadas e também afetaram a mobilidade no estado nas primeiras horas de hoje (11).

protesto contra a PEC 241 em Pernambuco

Homem ateia fogo em pneus na BR-232, em Caruaru/PEDivulgação/PRF/PE

Nas rodovias federais, a interdições ocorreram, até agora, em 13 pontos do estado, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF): a BR-101 está bloqueada em frente à reitoria da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e nas cidades de Goiana e Escada; na BR-232, há registro de manifestações na altura dos municípios de Bonança, Santo Aleixo, Caruaru e Pombos; a BR-408 foi bloqueada em Aliança e Paudalho; na BR-428 estão interrompidos trechos em Petrolina e Santa Maria da Boa Vista; e na BR-104 o ato foi realizado na altura de Caruaru e Cupira.

No Recife, um protesto de mulheres fechou o cruzamento da Avenida Cruz Cabugá com a Avenida Norte Miguel Arraes de Alencar, mas o trecho já foi liberado. As manifestantes exibiam cartazes contra a PEC 55 (que na Câmara dos Deputados era PEC 241) e pintaram uma mensagem no asfalto pedindo a saída do presidente Michel Temer.

Os manifestantes criticam a PEC por considerar que a medida congelará recursos para a Educação e a Saúde a médio e longo prazo. Já o governo federal alega que a PEC não reduzirá os repasses para educação e que o ajuste fiscal é necessário em um contexto de crise econômica. 

Pautas locais e de categorias específicas também foram levantadas nos atos. No caso dos rodoviários, eles protestam ainda contra assaltos a ônibus e mudanças na organização do serviço no estado. De acordo com o Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco (STTREPE), em 2016 foram registrados 1.564 assaltos, um trabalhador foi morto e outros três baleados.

MST, manifestação em Bonança, na BR-232

Os sem-terra protestaram em Bonança contra as mudanças na legislaçãoDivulgação/MST

Outras categorias paralisadas

De acordo com o presidente estadual da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Carlos Veras, servidores municipais, estaduais e federais aderiram. Os professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) decretaram greve por tempo indeterminado ontem (10), em uma votação apertada, com 367 votos a favor da paralisação e 347 contra. Apesar de começar na terça-feira (15), a categoria adere hoje à paralisação nacional. Há registro ainda de paralisações no Complexo Portuário de Suape.

O Sindicato dos Bancários informou que agências bancárias da Avenida Marquês de Olinda estão fechadas até 12h, além das agências do Banco do Brasil da Avenida Rio Branco e da Av. Guararapes, onde, ao meio-dia, um grupo realiza um ato em frente à agência. Os bancários também protestam contra o que consideram um processo de privatização dos bancos públicos e o fechamento de agências no estado, de acordo com Sandra Trajano, secretária geral da entidade. Ainda não há balanço do percentual de trabalhadores das categorias que aderiram.

Sobre os atos, o Palácio do Planalto respeita e considera as manifestações democráticas, mas não comentará manifestações em específico.

Edição: Lidia Neves