Você está aqui

Segunda vítima confirmada de febre amarela tem alta de hospital do Rio

  • 20/03/2017 15h29publicação
  • Rio de Janeirolocalização
Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil

Vacinação contra a febre amarela - Divulgação/Prefeitura Municipal de Vitória

Vacina contra a febre amarela tem validade de 10 anos    Divulgação/Prefeitura Municipal de Vitória

A segunda vítima confirmada de febre amarela no município de Casimiro de Abreu, na região da Baixada Litorânea do Rio de Janeiro, teve alta hospitalar neste fim de semana e voltou para casa. Alessandro Valença Couto, de 37 anos, estava internado no Hospital dos Servidores do Estado, na capital fluminense.

Já Joaquim de Oliveira Santos, de 45 anos, foi transferido no fim de semana do Hospital Municipal Ângela Maria Simões, em Casimiro de Abreu, para o Hospital dos Servidores do Estado. Ele é tio de Watila Santos, que morreu no dia (11), e estava em observação. Mas como seu quadro de saúde não apresentou melhora, foi transferido para o Rio de Janeiro.

A enteada de Watila, uma menina de 9 anos, permanece internada, sem previsão de alta. Após apresentar um quadro de dores abdominais, ela foi transferida na última sexta-feira (17) de Casimiro de Abreu para o Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio, acompanhada da mãe, Marina da Conceição.

Mais três enteados do pedreiro, um menino de 8 anos e duas meninas de 6 e 11 anos, tiveram alta neste fim de semana do Hospital Municipal Ângela Maria Simões.

Vacinação

A prefeitura de Casimiro de Abreu já vacinou 38 mil dos 42 mil moradores da cidade. Como a maior parte da população do município já foi vacinada contra a febre amarela, o hospital de campanha instalado na Praça Feliciano Sodré, sede do município, encerrou o trabalho de vacinação no último sábado (18).

Os postos de saúde e centros de referência continuam vacinando a população do município diariamente a partir das 8h. A partir da semana que vem, a prefeitura informou que será necessário apresentar cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) e comprovante de residência para receber a vacina.

Edição: Lidia Neves