Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

PF prende grupo que usava acesso a Aeroporto Tom Jobim para traficar

Quadrilha se preparava para enviar 23 quilos de cocaína para a Europa

Publicado em 10/08/2018 - 19:45

Por Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil Rio de Janeiro

Agentes da Polícia Federal apreenderam no Aeroporto Internacional Tom Jobim/Galeão 26 quilogramas de cocaína pura que seria enviada para a França. A droga estava acondicionada em mochilas que seriam colocadas em contêineres, em meio às bagagens de passageiros. A ação contava com a participação de empregados que prestam serviço no aeroporto.

Três homens foram presos em flagrante. Eles eram empregados de empresas que tinham acesso às dependências do porão do aeroporto. Policiais federais monitoravam a movimentação dos funcionários e agiram para evitar o envio da droga para o exterior. Os presos foram encaminhados ao sistema prisional, onde ficarão à disposição da Justiça Federal. Os homens responderão por tráfico internacional de drogas e associação para o tráfico.

Em nota, o consórcio RIOgaleão, que administra o Aeroporto Tom Jobim informou que colabora com a atuação da Polícia Federal no aeroporto. A concessionária disse que investiu em infraestrutura e tecnologia, o que contribuiu para uma atuação mais eficiente dos órgãos públicos de segurança no aeroporto, facilitando, inclusive, a apuração dos fatos neste caso.

Outra ação

No dia 30 de julho último, uma operação conjunta da Receita Federal e a Polícia Federal (PF) apreendeu 43 quilos de pasta base de cocaína no Porto do Rio de Janeiro. A droga teria vindo da Colômbia e embarcada em um contêiner com lacre estourado e posteriormente  falsificado entre o Porto de Montevidéu, no Uruguai, e o Porto do Rio de Janeiro. Do Rio, a droga teria como destino final a Europa.

A droga foi localizada durante uma fiscalização de rotina dos agentes da Receita Federal, que constataram o lacre falsificado no navio cargueiro. O contêiner foi separado e os cães farejadores da Receita e da PF localizaram a droga.

 

Edição: Davi Oliveira

Últimas