Dilma e Obama debaterão termos de cooperação em reunião marcada para junho

Publicado em 13/04/2015 - 16:39 Por Isabela Vieira - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

A embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Liliana Ayalde, participa do lançamento do projeto Sports for All, de capacitação de pessoas com deficiência para uma vida mais ativa (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Para a embaixadora americana, Liliana Ayalde, Brasil e Estados Unidos poderão compartilhar  experiências sobre  energia  renovável       Arquivo/Agência  Brasil

A reunião entre a presidenta Dilma Rousseff e o presidente norte-americano Barack Obama, marcada para 30 de junho e anunciada na Cúpula das Américas, no Panamá, estabeleceu uma série de discussões bilaterais entre os países, disse hoje (13) a embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Liliana Ayalde.

Entre os temas prioritários a serem tratados antes do encontro dos presidentes estão projetos nas áreas comerciais, de energia, de ciência e tecnologia, além da cooperação em defesa do meio ambiente. “Não vamos começar do zero, mas ampliar o que temos”, destacou a embaixadora, durante a posse do novo presidente da Câmara de Comércio Americana (Amcham), no Rio de Janeiro.

Ao comentar a retomada da agenda conjunta entre os países, depois do caso de espionagem que afetou as relações entre o Brasil e os Estados Unidos, a embaixadora reforçou os pedidos dos empresários americanos para que o Brasil sinalize com a redução da burocracia e garanta previsibilidade para atrair negócios.

“Empresas americanas querem fazer investimentos aqui no país, no mesmo momento em que o Brasil precisa de mais crescimento. Então, os dois podem se beneficiar”, disse Liliana Ayalde.

O novo presidente da Amcham, Rafael Sampaio da Motta, comemorou a aproximação entre Dilma e Obama e já solicitou uma reunião com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Com a queda dos preços do barril de petróleo e do gás no mercado internacional, Sampaio vê oportunidades nos setores de infraestrutura e logística, transporte e na indústria criativa.

Na parte ambiental, a embaixadora americana disse que pautará as conversas entre os países, nas propostas para a Conferência do Clima, no fim do ano, em Paris. Na ocasião, as Nações Unidas devem promover o encontro entre as nações para firmar um pacto que possibilite o enfrentamento dos impactos das transformações no clima.

“Os nossos países têm passado por problemas de água, eletricidade e queremos compartilhar algumas experiências sobre energia renovável mais eficiente”, afirmou Rafael Motta.

Edição: Marcos Chagas

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias