Profissionais de saúde protestam na Grécia por falta de investimentos no setor

Publicado em 20/05/2015 - 15:31 Por Gisele Garcia - Correspondente da Agência Brasil/EBC - Copenhague

Médicos e enfermeiros do sistema público de saúde da Grécia reivindicaram hoje (20), em Atenas, a ampliação dos gastos no setor. Com os cortes consecutivos de recursos, faltam equipamentos básicos e pessoal qualificado nos hospitais para atender à demanda, o que levou os profissionais às ruas.

Centenas de pensionistas se juntaram à manifestação temendo que o governo de Alexis Tsipras imponha novas medidas de austeridade ao país como concessão para os credores internacionais – União Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional (FMI).

Os manifestantes, que encerraram o protesto em frente ao Ministério da Saúde, carregavam cartazes e faixas. Uma delas dizia “Não à degradação e à privatização do sistema público de saúde. Contratação imediata de pessoal permanente”.

O pensionista Thanassis Argiris, de 71 anos, protestava por melhor atendimento. “Para conseguir uma consulta, ou até para pegar os resultados, temos que esperar um mês, um mês e meio. Não é culpa do médico. Despediram metade dos médicos dos hospitais e clínicas”, reclamou.

Aos 80 anos, o pensionista Nikos Tsagas decidiu se juntar à manifestação. “Todos os dias estamos nas ruas, lutando, pois é o único jeito de parar essa austeridade bárbara.”

Médico e presidente do sindicato dos trabalhadores de um hospital grego, Costas Kantarachias enfatizou que os recursos para o setor nunca foram tão poucos. “Isso não vai mudar se tivermos que pagar todos os meses essa quantia enorme de dinheiro para os credores. Entendemos que essa é a situação, mas, se essa política continuar, os hospitais ficarão em perigo”, disse.

Autoridades gregas estão em uma corrida contra o relógio para garantir um acordo com os credores até o fim do mês, antes do pagamento de 1,5 bilhão de euros (cerca de R$ 5 bilhões) ao FMI, em junho. O primeiro-ministro grego já anunciou que pagará os servidores públicos e pensionistas antes de pagar a dívida.

Se as negociações falharem e a Grécia não conseguir a liberação da última parcela do programa de ajuda de 240 bilhões de euros da União Europeia e do FMI, é grande a possibilidade de falência.

Edição: Marcos Chagas

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias