Você está aqui

Comércio entre China e países de língua portuguesa caiu 25%

  • 12/08/2015 13h05publicação
  • Macau (China)localização
Da Agência Lusa

As trocas comerciais entre a China e os países de língua portuguesa caíram 25,62% no primeiro semestre de 2015, fixando-se em US$ 48,11 bilhões, segundo informações oficiais.

Dados dos Serviços de Alfândega da China, publicados no site do Fórum Macau, mostram que, entre janeiro e junho, a China comprou dos países de língua portuguesa bens avaliados em US$ 28,57 bilhões, o que representa queda de 35%. As exportações chinesas para os integrantes da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) caíram 4,53% nesse período.

O Brasil manteve-se como principal parceiro econômico da China, com trocas comerciais bilaterais de US$ 34,24 bilhões até junho, uma queda de 19,27% em relação ao mesmo período do ano passado.

As exportações da China para o Brasil atingiram US$ 14,92 bilhões, representando queda de 7,99%. As importações somaram US$ 19,32 bilhões, com queda de 26,24%.

Com Angola, segundo parceiro chinês nos países lusófonos, as trocas comerciais caíram 45,24%,  totalizando  US$ 10,42 bilhões até junho. A China vendeu aos angolanos produtos avaliados em US$ 2,14 bilhões, com aumento de 2,77%. Por outro lado, comprou US$ 8,28 bilhões em mercadorias, ou seja, menos da metade, se comparado ao mesmo período do ano passado (-51,16%).

Com Portugal, o terceiro parceiro da China entre países de língua portuguesa, o comércio bilateral chegou a US$ 2,15 bilhões, com queda de 5,89% em uma balança comercial favorável a Pequim, que vendeu US$ 1,41 bilhão – menos 4,14% – e comprou produtos avaliados em US$ 731 milhões, ou seja, menos 9,12%.

Só em junho, as trocas comerciais entre a China e os países de língua portuguesa chegaram a US$ 9,79 bilhões, subindo 13,47% em relação ao mês anterior.

Os dados divulgados incluem São Tomé e Príncipe, apesar de o país manter relações diplomáticas com Taiwan e não participar diretamente do Fórum Macau. A China estabeleceu esta região administrativa especial como plataforma para o reforço da cooperação econômica e comercial com os países de língua portuguesa em 2003, ano em que criou o Fórum Macau.

Um despacho do chefe do Executivo de Macau, Fernando Chui Sai On, publicado segunda-feira (10), prorrogou o funcionamento do Gabinete de Apoio ao Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Econômica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa até 3 de março de 2019.