Você está aqui

Arábia Saudita executa 47 condenados por terrorismo

  • 02/01/2016 10h28publicação
  • Riadelocalização
Da Agência Lusa

A Arábia Saudita executou 47 pessoas condenadas por terrorismo, entre elas o dignitário xiita Nimr Baqir al-Nimr, figura da contestação contra o regime saudita, anunciou hoje (2) o Ministério do Interior. Um comunicado diz que os executados tinham sido condenados por terem adotado a ideologia radical "takfiri", juntando-se a "organizações terroristas" e implementando várias “parcelas criminosas".

A lista também inclui sunitas condenados por envolvimento em ataques reivindicados pela Al-Qaeda em 2003 e 2004 e que mataram sauditas e estrangeiros. Na lista está um egípcio e um chadiano, sendo os restantes sauditas.

O porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Hossein Ansari Jaber, afirmou hoje que a Arábia Saudita vai pagar um “preço elevado” pela execução do dignitário religioso xiita Nimr Bager al-Nimr. "O governo saudita apoia, por um lado, os movimentos terroristas e extremistas e, ao mesmo tempo, utiliza a linguagem da repressão e da pena de morte contra os seus opositores internos (…) ele [governo] vai pagar um preço elevado por estas políticas", disse Ansari Jaber, citado pela agência de notícias iraniana Irna.

O dignitário religioso xiita Nimr Bager al-Nimr, crítico do regime saudita, foi condenado à morte em outubro de 2014 por rebelião, desobediência ao soberano e porte de armas. O dirigente religioso esteve na liderança dos protestos da população xiita em 2011 e 2012 no leste da Arábia Saudita, onde são maioritários, num país em que predomina o islamismo sunita, praticado por 85% dos 30 milhões de habitantes.

Estas foram as primeiras execuções de 2016 na Arábia Saudita, um país ultraconservador que executou 153 pessoas em 2015, segundo uma contagem realizada pela agência France Presse (AFP) com base em números oficiais.

Edição: Kleber Sampaio