Você está aqui

Tribunal egípcio anula pena de prisão perpétua de líder da Irmandade Muçulmana

  • 04/01/2016 20h30publicação
  • Cairolocalização
Agência Lusa

O Tribunal de Recurso do Egito anulou hoje (4) a pena de prisão perpétua decretada contra o líder da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie, e as penas de morte de outros dirigentes da confraria, acusados de envolvimento na morte de manifestantes.

A agência oficial egípcia Mena informou que o tribunal ordenou a repetição do julgamento contra alguns dos acusados, incluindo o número dois da Irmandade, Khairat al-Shater, perante outro tribunal.

Nesse julgamento foram inicialmente condenadas 18 pessoas, quatro à pena de morte e 14 à prisão perpétua, mas o Tribunal de Recurso anulou o julgamento de 14 dos envolvidos.

De acordo com a lei egípcia, o Tribunal de Recurso apenas pode rever as sentenças definitivas emitidas na presença dos condenados.

Os dirigentes da Irmandade foram acusados de envolvimento nos distúrbios ocorridos em frente à sede da confraria, no bairro de Al Muqatam, durante as manifestações contra o ex-presidente islamita Mohamed Morsi, que culminaram no golpe de Estado de 3 de julho de 2013.

Entre os condenados à prisão perpétua incluem-se outros destacados líderes do grupo, entre eles membros da Comissão Executiva da Irmandade e o ex-ministro da Juventude, Mursi Usama Yasin.

Em 3 de dezembro, o tribunal tinha já anulado a condenação à morte contra Badie e outros 13 membros acusados de terem formado a “sala de operações Rabaa al Adauiya”, com o objetivo de resistir às novas autoridades.

Em agosto de 2013 as autoridades militares desalojaram os acampamentos de protesto organizados em duas praças da capital egípcia para denunciar o golpe de Estado de 3 de julho, liderado pelo então ministro da Defesa e atual presidente do país, Abdel Fatah al-Sisi.