Você está aqui

Talibãs defendem diálogo com Estados Unidos para encerrar guerra no Afeganistão

  • 25/02/2016 08h50publicação
  • Cabullocalização
Da Agência Lusa

Os talibãs defenderam hoje (25) um diálogo de paz com os Estados Unidos para acabar com o conflito afegão, uma semana antes da reunião com o governo para retomar as negociações suspensas há sete meses.

"Se os norte-americanos querem efetivamente pôr fim à invasão e ao conflito, então é necessário manter um diálogo com eles", disse o porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid.

Para Mujahid, os Estados Unidos e os talibãs são as principais partes rivais no conflito afegão e, portanto, iniciar conversações com terceiros [o governo afegão] não será mais eficaz que um diálogo com "os invasores".

Os Estados Unidos, que derrotaram os talibãs na invasão do país em 2001, integram o denominado Grupo dos Quatro (G4), juntamente com a China, Paquistão e Afeganistão, cuja missão é estabelecer um roteiro para o processo de paz no Afeganistão.

Na terça-feira passada, o G4 anunciou um encontro entre o governo afegão e os rebeldes na primeira semana de março. Mujahid, no entanto, garantiu que o movimento não foi "oficialmente convidado" para o encontro, que deverá ocorrer em Islamabad, e acrescentou que só teve conhecimento dos pormenores do plano elaborado pelo G4 através da imprensa.

"Neste momento, não podemos recusar nem aceitar manter um diálogo com Cabul, porque a nossa comissão política ainda não decidiu se fala, ou não, com Cabul", disse o porta-voz.

Qualquer grupo que queira pôr fim ao conflito deve levar em conta "as condições" dos talibãs, entre as quais o fim da invasão norte-americana e o estabelecimento de um mandato islâmico no Afeganistão.

Os talibãs estão divididos em relação ao processo de paz com o governo afegão. Em algumas ocasiões, recusaram qualquer plano e, em outras, condicionaram uma aceitação a medidas como o levantamento das sanções da ONU, renovadas em dezembro do ano passado.

O G4 manifestou apoio a um processo de diálogo com os talibãs, que pediram para participar das negociações de paz. O grupo adverdiu, no entanto, que não vai aceitar a imposição de pré-condições para começar a negociar.

O governo afegão e os talibãs mantiveram a primeira reunião oficial em julho passado, no Paquistão, mas as negociações foram suspensas dias depois, após o anúncio da morte do fundador do grupo rebelde mullah Omar, em abril de 2013.

 

Edição: Graça Adjuto