Você está aqui

União Europeia lança Corpo Médico Europeu para respostas rápidas a emergências

  • 15/02/2016 11h02publicação
  • Bruxelaslocalização
Da Agência Lusa

A União Europeia lançou hoje (15) em Bruxelas o Corpo Médico Europeu, com o objetivo de mobilizar, mais rapidamente, equipes médicas e de saúde pública especializadas e equipamento para enfrentar situações de emergência, dentro e fora da União Europeia (UE).

“O Corpo Médico Europeu tem por objetivo dotar a UE de uma capacidade de reação mais rápida e eficaz diante de crises sanitárias que possam surgir. Temos de retirar ensinamentos da luta contra o ébola. Uma das principais dificuldades foi a mobilização de equipes médicas”, observou hoje o comissário europeu de Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides, durante o evento de lançamento do órgão em Bruxelas.

Segundo Stylianides, através do Corpo Médico Europeu, os Estados-membros do bloco e outros países europeus que participam do sistema podem disponibilizar equipes e recursos médicos para uma mobilização rápida, antes do aparecimento de situações de emergência graves, garantindo assim uma resposta mais ágil e mais previsível.

Dependendo da situação, o Corpo Médico poderá incluir equipes médicas de emergência, peritos em saúde pública e em coordenação médica, laboratórios de biossegurança móveis, aviões de evacuação e equipes de apoio logístico.

“Agradeço a todos os Estados-membros que já deram sua contribuição até o momento e incentivo outros a se juntarem a nós, para que a resposta da UE consiga satisfazer as necessidades crescentes e permita um melhor planeamento e preparação de suas intervenções antes de qualquer catástrofe”, declarou Stylianides.

Até ao momento, nove Estados-membros já designaram equipes e equipamentos para o corpo médico: Bélgica, República Checa, Finlândia, França, Luxemburgo, Alemanha, Espanha, Suécia e Holanda.

A origem da criação do grupo de apoio médico foi o surto de vírus ébola, que revelou a dificuldade em mobilizar de forma rápida pessoal médico, “bem como em enfrentar os desafios de logística e de gestão, que não pararam de aumentar”, diz uma nota da Comissão Europeia.

A crise levou a Alemanha e a França, no final de 2014, a proporem a iniciativa de criação dos Capacetes Brancos, que serviu de base para o Corpo Médico Europeu, que agora faz parte da nova Capacidade Europeia de Resposta de Emergência.