Você está aqui

MP venezuelano confirma três mortos e 62 feridos nos protestos de ontem

  • 20/04/2017 18h21publicação
  • Caracaslocalização
Da Agência EFE

 

Manifestação pelas ruas de CaracasNa quarta-feira houve protestos em Caracas e em 14 estados da Venezuela
           Foto:  Agência  Lusa/EPA/Miguel  Gutiérrez/Direitos  Reservados

O Ministério Público da Venezuela confirmou nesta quinta-feira (20) que, durante os protestos de ontem (19) na área metropolitana de Caracas e em 14 estados do país, morreram três pessoas, 62 ficaram feridas e 312 foram detidas. As informações são da Agência EFE.

Por meio de um comunicado, a procuradoria lamentou a morte de Andreina Ramírez Gómez, de 23 anos, que recebeu um tiro quando transitava por um local próximo a uma concentração de opositores ao governo venezuelano no estado de Táchira, e a do adolescente Carlos José Moreno, de 17 anos, alvejado na cabeça quando passava por uma das manifestações em Caracas.

A nota também lamentou a morte do segundo sargento da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) Niumar José San Clemente Barrios. Ele foi atingido por um franco-atirador em Los Salias, uma cidade-satélite da capital venezuelana, segundo informou o defensor público Tarek William Saab.

De acordo com a procuradoria, os 312 detidos serão apresentados perante os tribunais de sua jurisdição nas próximas horas.

Dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se ontem contra e a favor do governo, por ocasião do feriado no país pela comemoração dos 207 anos de um evento popular, considerado como o primeiro passo para a independência da Venezuela da Espanha.

Itamaraty

Por meio de nota do Ministério das Relações Exteriores, o governo brasileiro condenou a violenta repressão pelas autoridades venezuelanas das manifestações realizadas ontem em defesa da restauração das liberdades democráticas.

Na nota, o Itamaraty lamentou a ocorrência de mortes e estendeu as condolências aos familiares das vítimas.  "A responsabilidade primária pela violência cabe ao governo venezuelano, por tratar a liberdade de expressão e de opinião como ameaça e por incentivar a ação armada contra manifestações".

"O Brasil reitera a exortação ao governo venezuelano para que atue com moderação, de forma a criar as condições para a pacificação e para o diálogo. Conclama ainda o governo da Venezuela a respeitar o calendário eleitoral, fixando imediatamente a data das eleições regionais, bem como a restaurar os direitos e liberdades fundamentais, reconhecer e assegurar a independência dos poderes e libertar todos os presos políticos", concluiu a nota.

* A matéria foi alterada às 20h30 para inclusão de nota do Ministério das Relações Exteriores do Brasil sobre a violência na Venezuela.

Edição: Armando de Araújo Cardoso