Você está aqui

Trump exige democracia na Venezuela em reunião com Temer e outros líderes

  • 18/09/2017 22h00publicação
  • Nova Yorklocalização
Da EFE
Nova York (EUA) - Os presidentes dos Estados Unidos da América, Donald Trump, e do Brasil, Michel Temer, durante jantar de trabalho oferecido pelo presidente americano (Beto Barata/PR)

Os presidentes dos Estados Unidos da América, Donald Trump, e do Brasil, Michel Temer, durante jantar de trabalho oferecido pelo presidente americano Beto Barata/PR

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, exigiu hoje (18) a restauração "plena" da democracia e das liberdades políticas na Venezuela, no início de uma reunião com vários governantes latino-americanos, entre eles Michel Temer, para tratar a crise nesse país. As informações são da agência de notícia EFE.

Trump disse que a situação atual na Venezuela é insustentável, "completamente inaceitável", e lembrou as sanções que os EUA impuseram durante o seu mandato contra o governo do presidente Nicolás Maduro.

Além de Temer, participam desta reunião em um hotel de Nova York os presidentes da Colômbia, Juan Manuel Santos; e do Panamá, Juan Carlos Varela, assim como a vice-presidente da Argentina, Gabriela Michetti.

Segundo fontes diplomáticas brasileiras, que foram as primeiras a informar da reunião desta segunda-feira, hoje, o presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski, também foi convidado ao encontro com Trump. No entanto, Kuczynski suspendeu sua viagem a Nova York devido às atuais tensões políticas no Peru.

Após salientar que os países presentes na reunião são "alguns dos maiores aliados" dos EUA no continente, Trump denunciou a "ditadura" imposta por Maduro, sobre a qual destacou que provocou "terrível miséria e sofrimento" aos venezuelanos. "A Venezuela foi um dos países mais ricos e agora está colapsando e os seus cidadãos morrem de fome", disse Trump.

O presidente americano também agradeceu aos governantes presentes por "condenar" o regime de Maduro e dar um "apoio vital" ao povo venezuelano, ao alertar que seu governo está "preparado" para tomar outras medidas, sem detalhar quais.

Nesse sentido, Trump não respondeu a uma pergunta sobre se segue avaliando uma solução militar para a Venezuela, como assegurou no mês passado.