Congresso dos EUA se prepara para votar plano de reforma tributária

Publicado em 16/11/2017 - 11:50 Por *Das Agências Brasil e Reuters - Washington

O Congresso dos Estados Unidos, controlado pelos republicanos, aproxima-se de um teste nesta quinta-feira (16) sobre sua capacidade de reformar o código tributário federal, já que os legisladores se preparam para sua primeira votação em grande escala sobre a mudança na legislação sobre o tema.

Os republicanos da Câmara dos Deputados devem aceitar sua própria proposta de lei para reduzir os impostos sobre para as corporações, pequenas empresas e indivíduos após uma reunião com o presidente Donald Trump, que quer assinar o pacote de reforma tributária antes do final do ano. Os líderes da Câmara se dizem otimistas sobre conseguir os votos para aprovar o projeto de lei.

"Grande votação amanhã na Casa. Os cortes de impostos estão se aproximando!", escreveu Trump no Twitter na quarta-feira.

Mas as expectativas de reforma tributária do presidente começaram a encontrar resistência no Senado, onde uma proposta republicana separada foi atacada por legisladores do partido.

Os cortes de impostos são vistos pelos republicanos como críticos para suas perspectivas de manter o poder em Washington nas eleições do Congresso de novembro de 2018. Até agora, os republicanos e Trump não têm vitórias legislativas importantes em 2017 para mostrar aos eleitores, apesar de controlarem a Casa Branca e o Congresso.

Proposta

A proposta prevê redução de 35% para 20% nos impostos corporativos e um corte de taxas de imposto de renda de pessoa física. Segundo analistas críticos do projeto, no médio prazo a reforma provocaria um déficit fiscal de U$ 1,5 tri para as contas federais.

Mas os republicanos afirmam que com esta redução,  milhões de famílias e empresas que teriam mais dinheiro para produzir empregos. Mas o projeto apelidado de Corte importos e "ato pelo trabalho" chama a atenção pela quantidade de deduções de impostos que serão cortadas, com impacto direto nos contribuintes da classe média.

Cerca de 15 créditos fiscais deixaram de existir, entre eles o de adoção, que permitia dedução anual de 13 mil dólares e a pensão alimentícia em caso de divórcio, que pela proposta não poderá ser deduzida.

O projeto quer reduzir as deduções do imposto de renda para perdas de desastre, como furações e incêndios  para 10%, valor considerado pequeno para pessoas vítimas de grandes eventos, como os recentes furações, Irma e Maria.

Outra medida polêmica é a retirada de deduções de despesas médicas superiores a 7,5% da renda bruta do trabalhador. Os democratas apontam que o custo de saúde deverá aumentar drasticamente.

O projeto está tramitando no Congresso e já passou por algumas comissões. A votação prevista para hoje será na House of Representatives (Caasa de Representantes), equivalente a Câmara dos Deputados no Brasil.  Se o governo conseguir passar o projeto hoje, ele ainda será avaliado pelo Senado.

*Matéria atualizada às 12h49 para acréscimo de informações.

*Repórteres Leandra Felipe, da Agência Brasil em Atlanta, e David Morgan e Amanda Becker, da Reuters

Edição: -

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias