Você está aqui

Papa não correrá perigo no Chile apesar de atentados, diz governo

  • 13/01/2018 14h02publicação
  • Santiagolocalização
Da EFE*
Santiago Desconhecidos atearam foto na porta da Paróquia Santa Isabel de Hungría provocando um incêndio que foi controlado pelos bombeiros

Santiago – Desconhecidos atearam foto na porta da Paróquia Santa Isabel de Hungría provocando um incêndio que foi controlado pelos bombeiros Mario Ruiz/EFE/direitos reservados

O ministro do Interior do Chile, Mario Fernández, garantiu neste sábado (13) que o papa Francisco não correrá perigo em sua visita ao país, que começa na próxima segunda-feira (15), apesar dos atentados registrados ontem (12) contra cinco igrejas católicas de Santiago. As informações são da EFE.

Em entrevista à rádio Biobío, Fernández destacou a coordenação permanente entre os órgãos de segurança e os serviços de inteligência do governo. Segundo ele, o trabalho será intensificado tanto na capital do país como nas cidades de Temuco, no Sul do país, e Iquique, no Norte, por onde o papa também passará.

O chefe do gabinete ministerial da presidente Michelle Bachelet disse que as autoridades fizeram uma autocrítica sobre os ataques. Um dos motivos para declarar feriados em Santiago, Temuco e Iquique nos dias da visita de Francisco é concentrar nas três cidades o maior número de agentes possível.

Fernández classificou os atentados como "graves e repudiáveis" e afirmou que em todas as sociedades há "articulações que alteram a ordem pública". "Mas é preciso não confundir liberdade de expressão com os métodos utilizados para expressá-la", disse.

Santiago Os muros da Igreja Cristo Pobre foram pichados com mensagens contra a visita do papa Francisco

Santiago – Os muros da Igreja Cristo Pobre foram pichados com mensagens contra a visita do papa Francisco Mario Ruiz/EFE/direitos reservados

O ministro pediu que a população espere os resultados das investigações do Ministério Público sobre os atentados, mas destacou que os grupos que realizaram os ataques parecem ser pequenos e com uma "capacidade de ação limitada".

Panfletos deixados nas igrejas católicas atacadas criticavam os gastos do governo com a visita papal. Fernández respondeu que as despesas são comuns quando se trata da visita de um chefe de Estado.

"São despesas para a proteção de qualquer chefe de Estado. Nós fazemos cúpulas internacionais nas quais recebemos muitos chefes de Estado e ninguém critica o custo de receber essas pessoas", disse.

Segundo informações extraoficiais, o Chile gastará 7 bilhões de pesos (US$ 11 milhões) na visita de Francisco.

*É proibida a reprodução total ou parcial deste material. Direitos Reservados

Edição: -