Você está aqui

Sul da Europa pede que ônus do fluxo migratório seja compartilhado

  • 11/01/2018 10h48publicação
  • Lisboalocalização
Marieta Cazarré - Correspondente da Agência Brasil

Representantes de países do Sul da Europa pediram ontem (10), durante a IV Cúpula dos Países do Sul da União Europeia (UE), em Roma, que o peso dos fluxos migratórios seja compartilhado com os outros Estados-Membros.

"A gestão dos fluxos migratórios será um desafio fundamental para a UE nos próximos anos, e os países do Sul da Europa estão particularmente preocupados e afetados. Nosso papel e o ônus de proteger essas fronteiras devem ser reconhecidos e compartilhados pela UE", afirmaram os líderes em declaração conjunta.

Participaram da cúpula os primeiros-ministros de Portugal, António Costa; da Itália, Paolo Gentiloni; de Malta, Joseph Muscat; da Grécia, Alexis Tsipras; da Espanha, Mariano Rajoy; e os presidentes da França, Emmanuel Macron; e de Chipre, Nicos Anastasiades.

"A UE terá de intensificar a sua luta contra o tráfico de seres humanos e novas formas de escravidão, garantir os direitos humanos de todas as pessoas e proteger os que necessitam de proteção internacional, em particular os grupos mais vulneráveis", acrescenta o documento.

Os representantes dos sete países disseram estar comprometidos com uma política de migração comum, para evitar fluxos irregulares e massivos, e dispostos a cooperar com os países de origem, principalmente da África. O fenômeno da migração atinge principalmente a Itália e a Grécia.

Além dos fluxos migratórios, também foram discutidas a união financeira e o crescimento econômico. "Precisamos de uma União Europeia mais coesa, na qual as diferenças entre o Norte, Sul, Oriente e Ocidente sejam reduzidas. Agora é o momento de fazê-lo", afirmou o primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni.

António Costa, primeiro-ministro de Portugal, afirmou que a cúpula é um "conjunto de países que se reúnem pelas suas afinidades, não para dividir, mas para ajudar a fortalecer a UE".

O presidente da França, Emmanuel Macron, falou sobre a importância da convergência entre os líderes, no sentido de avançar em direção a uma verdadeira união financeira, que permitiria maior crescimento da Europa, mais solidariedade e melhor coordenação das políticas econômicas dos Estados-Membros. Macron comentou ainda o próximo encontro, que reunirá França, Espanha e Portugal, com o objetivo de discutir as interligações elétricas entre os três países.

Durante a declaração conjunta, os líderes falaram sobre uma consulta aos cidadãos, que deve ser feita nos próximos meses, para que a população europeia expresse as suas prioridades para o futuro da UE.

Edição: Graça Adjuto