Secretário dos EUA discute com brasileiros defesa na América do Sul

Publicado em 13/08/2018 - 11:37 Por Carolina Gonçalves – Repórter da Agência Brasil - Brasília

Pela primeira vez no Brasil, o secretário de Defesa dos Estados Unidos (EUA), James Mattis, desembarcou em Brasília e abriu a agenda oficial na manhã de hoje (13) ao se encontrar com o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira. À tarde, o responsável pelo Pentágono tem uma reunião fechada com o ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, seguida por vários encontros bilaterais dentro do Ministério da Defesa.

Mattis ainda tem agenda na América do Sul até sexta-feira (17) com visitas ao Chile e à Colômbia.

Ainda sem confirmação oficial, há expectativa de que Mattis conceda entrevista coletiva ao lado de Silva e Luna, por volta das 15h, para ressaltar temas tratados em torno de acordos e parcerias entre os dois países. Um assunto que interessa ao Brasil e pode vir à tona nas conversas é a retomada do acordo para a construção da base de lançamento de satélite de Alcântara (MA).

636400747040569700w.jpg
General James Mattis, secretário de Defesa dos EUA - Chris Kleponis/ Pooll/EFE

Em seguida, Mattis embarca para o Rio de Janeiro. Na capital fluminense, ele fará palestra sobre defesa na Escola Superior de Guerra amanhã. Também está planejada visita ao monumento à Segunda Guerra Mundial, no Aterro do Flamengo. Depois, ele segue para Buenos Aires, na Argentina.

Venezuela

Jim Mattis, como é conhecido pela imprensa norte-americana, ocupa um dos postos mais importantes do governo e está desde o início da administração Trump na pasta. Há expectativa de que na viagem à América do Sul seja tratada a crise na Venezuela.

Nos últimos dias, a suposta tentativa de assassinato do presidente venezuelano Nicolás Maduro refletiu em uma série de medidas contra opositores locais. Uma delas foi a ordem de prisão de dois deputados de oposição e mais 19 suspeitos.

O Brasil e 11 países que integram o Grupo de Lima emitiram nota de repúdio à repressão de partidos de oposição e defenderam uma investigação transparente sobre o atentado.

Maduro sinalizou que aceita a colaboração do FBI nas investigações desde que apure também supostos vínculos nos Estados Unidos.

 

Edição: Renata Giraldi e Lílian Beraldo

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias