Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Audiência leva aborto a ser um dos assuntos mais comentados no Twitter

Publicado em 03/08/2018 - 12:10

Por Letycia Bond – Repórter da Agência Brasil Brasília

Mobilizados pela audiência que discute hoje (3), no Supremo Tribunal Federal (STF), a liberação do aborto até a 12ª semana de gestação, usuários do Twitter estão reunindo milhares de postagens com a hashtag #NemPresaNemMorta, que já figura entre os tópicos mais populares da rede social no Brasil.

A sessão do STF, de caráter público, foi instalada em razão do ajuizamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, de iniciativa do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e do Anis - Instituto de Bioética, e terá continuidade na próxima segunda-feira (6), contando com a participação de diversos especialistas no assunto.

Atualmente, a legislação brasileira considera legal o aborto em três circunstâncias: quando a gravidez resultar de um estupro, no caso de fetos anencéfalos ou caso a gestante esteja correndo risco de vida. A audiência foi convocada pela ministra Rosa Weber, relatora da ADPF no tribunal.

Entre as publicações dos internautas no Twitter, encontram-se reproduções de falas dos expositores convocados pela Corte e opiniões favoráveis à descriminalização do aborto no país. "Educação para decidir, contraceptivos para prevenir, aborto legal e seguro para não morrer!", escreve uma jovem.

"Homens contra o aborto, algumas sugestões: não abortem quando engravidarem; usem camisinha sempre para não engravidarem as moças", declara, de forma mais contundente, outra internauta, com quase 12 mil seguidores.

Contrário à descriminalização, um estudante de engenharia de 22 anos, deixa claro seu posicionamento: "Diga não ao assassinato de fetos humanos indefesos!"

Mais ponderado, outro internauta afirma que a questão do aborto é "delicadíssima". "Não é algo simplista de ’SIM! Meu corpo minhas regras’ e nem de ’NÃO! É assassinato e atentado contra a fé cristã’". 

Entre a parcela que admite ser contrária à mudança na lei, outra hashtag, a #AbortoÉCrime, também reuniu diversos posicionamentos. Uma delas pertence ao filósofo Francisco Razzo, autor do livro Contra o Aborto. Ele avalia que os principais argumentos a favor do aborto expostos no STF presumem que a lei deve se adequar aos fatos. "Mulheres já praticam o aborto, logo deve ser um serviço garantido pelo Estado. Isso é como tentar revogar a lei da gravidade porque pessoas pulam de prédios", disse. 

Uma imagem com os dizeres "Como pode uma bactéria ser considera vida em Marte e uma batida de coração não ser considera vida na Terra?" também tem circulado na rede.

Durante a abertura da audiência de hoje (3), a presidente do STF, Cármen Lúcia, ressaltou que todas as opiniões são legítimas e devem ser ouvidas. "Ainda que para depois divergir. Só é possível divergir se conhecer”, acrescentou.

Edição: Lílian Beraldo

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas notícias