Você está aqui

Brasil discute criação de centro internacional de pesquisa sobre o Atlântico

  • 20/11/2017 16h38publicação
  • Brasílialocalização
Da Agência Brasil *

Durante a abertura da 2ª Reunião Ministerial e Diálogo de Alto Nível Indústria-Ciência-Governo sobre Interações Atlânticas, hoje (20), em Florianópolis (SC), o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, disse que a união de esforços para a criação do Centro Internacional de Pesquisa do Atlântico (AIR Center) pode deixar um legado para a humanidade.

O encontro reúne representantes de 13 países para debater a criação de uma organização internacional a ser sediada nos Açores, arquipélago em Portugal, focada em pesquisas sobre mudanças climáticas, sistemas de energia, espaço e ciência de dados no Oceano Atlântico.

“Para que tenhamos no médio e longo prazo um planeta melhor, precisamos investir em pesquisa, em especial nos oceanos. Seja para que possamos tirar melhor proveito possível daquilo que eles podem nos oferecer, ou no desenvolvimento das pesquisas oceânicas ainda incipientes. Poderemos avançar sensivelmente na coleta de bons resultados na medida em que tivermos essa unidade de esforços, que terá uma importante contribuição e um legado para a humanidade”, disse Kassab.

Para o ministro de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal, Manuel Heitor, o AIR Center é uma ferramenta para criação e compartilhamento de conhecimento. O país lidera os esforços para criação do Air Center. “Precisamos criar novos empregos ao redor do mundo. A única solução de alcançar isso é cada canto do mundo entender melhor a forma que produzimos e compartilhamos o conhecimento. Esse é um grande desafio que nós não podemos fazer sozinhos”, ressaltou.

Já o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, se disse feliz pela cidade ter sido escolhida para sediar o encontro e destacou os avanços do estado em ciência e tecnologia. “Santa Catarina é um estado voltado para a tecnologia e inovação. Temos um ambiente favorável e resultados muito positivos. Nosso estado tem 3,5% da população do país, mas é o sexto maior PIB. Para nós, é uma grande oportunidade de poder contribuir e somar forças.”

Ministros e representantes dos países vão discutir até amanhã (21) a implementação e a agenda do centro de pesquisas para a assinatura de um memorando de entendimentos.

*Com informações do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações

Edição: Davi Oliveira