Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Kirchnerismo está acabando na Argentina, diz diplomata brasileiro

Publicado em 31/03/2015 - 17:31

Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil Rio de Janeiro

A greve geral convocada para hoje (31) pela Central de Trabalhadores da Argentina (CTA), a quarta que ocorre no atual governo, não é surpresa para o ex-embaixador brasileiro naquele país José Botafogo Gonçalves. Na opinião do diplomata, a avaliação geral da população argentina é que o kirchnerismo, corrente que apoia a presidenta Cristina Krchner, está acabando.

Segundo o ex-embaixador, nem a presidenta Cristina Kirchner nem o partido que a apoia têm condições de marcar uma linha de governo para o próximo período. “Estamos assistindo ao ocaso, ao declínio de um período em que o chamado kirchnerismo controlou a Argentina durante alguns anos, primeiro com o marido [Néstor Kirchner, morto em 2010] e agora com ela. O processo de decadência do governo da presidenta Cristina Kirchner vem se acentuando nos últimos meses.”

Gonçalves, que foi embaixador especial da Presidência da República para Assuntos do Mercosul, destacou que a política econômica de Cristina fracassou: a inflação está acima de 30% e a atividade econômica, em recessão. “Ela [a presidenta] é incapaz de fazer acordos ou buscar consenso. Ela briga com o único setor eficaz da economia argentina, que é o agribusiness [agronegócio]. E agora, resolveu brigar com os sindicatos. Ela está dando um tiro no próprio pé e pagando o preço por uma política desastrosa.”

Vice-presidente emérito do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri), Gonçalves ressalta que esse quadro tende a se agravar até as eleições presidenciais, previstas para outubro. Ele disse que os três candidatos têm se afastado de Cristina Kirchner de maneira mais ou menos ostensiva.

Do ponto de vista da relação bilateral entre Argentina e Brasil, o principal prejuízo está no comércio, porque a Argentina é um país em crise, que não tem crédito internacional, que tem dificuldades de balanço de pagamentos, não tem caixa em dólares e está restringindo suas importações do mundo e, em particular, do Brasil, que é o seu principal parceiro. Segundo o diplomata, a conclusão é que a situação argentina afeta de forma grave o comércio bilateral com o Brasil em setores importantes, como o automotivo.

Para ele, o Brasil tem de ter paciência e esperar que o novo governo assuma em 2016 e seja mais equilibrado, mais aberto para o mercado e mais preparado para fazer consensos internos, de modo a recomeçar uma nova vida econômica e comercial para a Argentina. Ele acredita que o país tem grandes potencialidades, recursos naturais, como energia, capacidade de produzir alimentos e tem condições de se recuperar. “Então, 2015 está perdido. Temos que esperar 2016. Este é o resumo.”


Fonte: "Kirchnerismo" está acabando na Argentina, avalia embaixador José Botafogo Gonçalves
Edição: Fábio Massalli

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas notícias