Você está aqui

Dilma pede a novo ministro da Justiça prioridade na segurança da Olimpíada

  • 03/03/2016 11h20publicação
  • Brasílialocalização
Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff pediu hoje (3) ao novo ministro da Justiça, Wellington César, que dê prioridade à segurança da Olimpíada que começa em agosto no Rio de Janeiro. Os novos ministros da Justiça, da Advocacia-Geral da União (AGU), José Eduardo Cardozo, e da Controladoria da Geral da União (CGU), Luiz Navarro de Brito, tomaram posse esta manhã no Palácio do Planalto.

“Às múltiplas tarefas do novo ministro, se soma uma prioridade para este ano: a segurança dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro. Recomendo ao ministro Wellington que mobilize toda a energia nesse processo, já em estágio bem avançado, onde a adoção de medidas preventivas e ostensivas necessárias ao bom funcionamento dos Jogos Rio 2016 seja também um sucesso fora das quadras e das arenas esportivas”, disse Dilma.

Ela ressaltou que, desde o seu primeiro mandato, todas as ações do governo têm se pautado pelo compromisso com o fortalecimento das instituições de Estado e pelo cumprimento da Constituição. “Essas diretrizes continuarão sendo seguidas pelos titulares das novas pastas, profissionais da área jurídica com larga experiência”.

Privilégio

Acrescentou que Cardozo é um nome perfeito para substituir Luís Inácio Adams na AGU por conhecer as principais causas jurídicas do governo, o que não vai interromper nenhum litígio. “A transferência do ministro Cardozo para a AGU é um privilégio de que o governo não poderia prescindir. Já o ministro Wellington chega ao cargo com ótima reputação e saberá cumprir com excelência seu papel”.

Na segunda-feira (29), Dilma decidiu aceitar o pedido de demissão de Cardozo da pasta da Justiça, que assume hoje (3) a AGU.Há algumas semanas, Luís Inácio Adams vinha manifestando a intenção de deixar o governo para dar andamento a projetos pessoais.

As conversas sobre a ida de Wellington César para o governo começaram na semana passada, quando ele esteve no Palácio do Planalto e se reuniu com o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, que foi governador da Bahia.

Edição: Kleber Sampaio