Você está aqui

Integrantes de movimentos sociais discursam no Planalto em defesa de Dilma

  • 30/03/2016 14h57publicação
  • Brasílialocalização
Yara Aquino - Repórter da Agência Brasil

Brasília - Cerimônia de lançamento da terceira fase do Programa Minha Casa, Minha Vida, com a meta de contratar mais 2 milhões de moradias até 2018 (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Representantes de movimentos sociais lotam o Palácio do Planalto e gritam palavras de ordem contra o impeachment da presidenta Dilma RousseffAntonio Cruz/Agência Brasil

Integrantes de movimentos sociais discursaram hoje (30) em apoio à presidenta Dilma Rousseff e contra o impeachment durante a cerimônia de lançamento do Programa Minha Casa, Minha Vida 3, no Palácio do Planalto. No evento, a presidenta anunciou a contratação de mais 2 milhões de unidades habitacionais até 2018.

Em vários momentos os integrantes dos movimentos que assistiam à cerimônia gritaram em coro “Não vai ter golpe”. O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulous, informou que há uma ofensiva contra a democracia no país e que os movimentos populares estarão nas ruas para não deixar que ocorra um “golpe”.

“Hoje, liberdades democráticas, garantias constitucionais e a soberania do voto popular estão ameaçadas por uma ofensiva golpista”, afirmou. Boulous acrescentou que, embora impeachment não seja golpe por estar previsto na Constituição, impeachment sem crime de responsabilidade é golpe e não tem legitimidade.

“Estamos e estaremos nas ruas para resistir a esse golpe e não deixar que ele passe”, disse.

Presidente da Confederação Nacional das Associações de Moradores (Conam), Bartíria Costa lembrou o “momento delicado da conjuntura política brasileira” durante o discurso e disse que os movimentos sociais estão vigilantes para defender os direitos conquistados e dar continuidade aos avanços sociais.

“Já estamos mobilizados e vigilantes para defender todos os direitos já garantidos. Não permitiremos retrocesso. Combateremos todos os facistas e golpistas. Lutaremos com todas as nossas forças em defesa da democracia e da Constituição. Golpe nunca mais. Não vai ter golpe.”

Participaram da solenidade representantes de movimentos como a União Nacional por Moradia Popular, Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas, Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Frente Nacional de Luta (FNL) e Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf).

Edição: Armando Cardoso