Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Cunha chega a Brasília, onde vai depor em processo sobre desvios no FI-FGTS

Publicado em 15/09/2017 - 18:58

Por Paulo Victor Chagas - Repórter da Agência Brasil Brasília

Brasília - O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha chega na capital para depor no processo em que é acusado de cometer desvios no FI-FGTS (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, depor no processo em que é acusado de cometer desvios no Fi-FGTSFabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O avião com o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pousou há pouco no Aeroporto Internacional de Brasília. Cunha ficará na capital federal pelos próximos dias para depor no processo em que é acusado de cometer desvios no Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS). Sem algemas, de terno, gravata e carregando as próprias malas, o ex-deputado chegou a Brasília após deixar o Complexo Médico Penal em Pinhais, no Paraná, no final da manhã.

Por motivos de logística, Cunha utilizou o mesmo avião da Polícia Federal que hoje levou o executivo da holding J&F, Joesley Batista, de Brasília a São Paulo. Após solicitação de sua defesa, o ex-parlamentar conseguiu autorização da Justiça Federal para se deslocar com antecedência para ser ouvido no interrogatório marcado para a próxima sexta-feira (22). De acordo com os advogados de Cunha, o objetivo da transferência é possibilitar "maior contato com a defesa técnica" para que ele exerça sua "autodefesa diretamente ao juiz".

De acordo com decisão do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal, a permanência temporária em Brasília vai até o dia 26 de setembro. Escoltado pelos policiais federais, Cunha seguirá ainda hoje para o Instituto Médico Legal, onde fará exame de corpo de delito, e ficará encarcerado no Departamento de Polícia Especializada da Polícia Civil.

Embora esteja preso em Curitiba devido a outra ação envolvendo a Operação Lava Jato, o processo da próxima semana se refere à denúncia pelos crimes de corrupção ativa, passiva, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional em um inquérito que não envolve a Petrobras. Além de Cunha, serão ouvidos o doleiro Lúcio Funaro, seu ex-sócio Alexandre Margotto, o ex-executivo da Caixa, Fábio Cleto, além do também ex-presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

 

Edição: Fábio Massalli

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas notícias