Você está aqui

Em almoço na casa de Maia, assuntos econômicos prevalecem à crise política

  • 07/09/2017 18h25publicação
  • Brasílialocalização
Helena Martins - Repórter da Agência Brasil
Presidente Michel Temer deixa a casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, depois de um almoço

Presidente Michel Temer deixa a casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, depois de almoço Valter Campanato/Agência Brasil

 

Após o desfile de 7 de Setembro, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, recebeu os presidentes da República, Michel Temer, do Senado, Eunício Oliveira, os ministros Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Helder Barbalho (Integração Nacional), além do deputado Heráclito Fortes (PSB-PI), em um almoço na residência oficial.

Apenas o ministro Antonio Imbassahy falou com a imprensa depois do almoço. Ele disse que a crise política não foi discutida, mas foram feitas avaliações positivas sobre o desenvolvimento da economia e comentários sobre a China, país visitado por Temer na última semana.

Questionado pelos jornalistas sobre possível nova denúncia contra o presidente da República, o ministro disse que Temer "continua muito tranquilo, preparado para qualquer tipo de especulação, qualquer nova colocação que venha, como se fez da primeira vez, confiante de que isso não vai prosperar, até porque a verdade vai sempre prevalecer".

Embora tenha dito que os últimos fatos envolvendo o empresário Joesley Batista, descoberta de malas de dinheiro atribuídas ao ex-ministro Geddel Vieira Lima e o depoimento do ex-ministro Antonio Palocci ao juiz Sérgio Moro não foram discutidos, comentou que "todos estão muito estarrecidos" com os últimos acontecimentos.

Antonio Imbassahy não quis fazer avaliações se os acontecimentos da última semana facilitariam a aprovação das reformas em andamento no Congresso Nacional, mas destacou que o governo está "muito firme" em sua determinação de aprovar as reformas, destacadamente a previdenciária.

Edição: Fernando Fraga