Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Viúva de Marielle diz que ainda precisa "fazer o luto"

"É um processo que tenho trabalhado na terapia, mas só entendi a morte

Publicado em 14/04/2018 - 10:20

Por Cristina Indio do Brasil - Repórter da Agência Brasil Rio de Janeiro

Marielle Franco, assassinada a tiros no Rio no dia 14 de maio, ao lado da esposa, Mônica Benício (Arquivo pessoal)

Marielle Franco ao lado da esposa, Mônica BenícioArquivo pessoal

Um mês depois, a arquiteta Mônica Benício, viúva da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), assassinada no dia14 de março, disse à Agência Brasil que ainda não conseguiu “fazer o luto” da morte da companheira. Faz um mês que está difícil sair, voltar para casa e ficar no espaço que foi construído com todo cuidado.

“A casa é um processo muito importante neste luto porque cada detalhe era pensado com muito carinho para a casa ser o espaço de acolhimento, para a casa ser o templo, para ser o ritmo diferente do dia a dia da gente antes de entrar em casa", contou.

Mônica revelou que aguarda diariamente e a qualquer momento que Marielle entre em casa. “Como eu ainda não fiz esse luto da esposa que perdi e sequer consegui entender isso, todos os dias eu ainda espero por ela chegar. Eu só me dou conta da diferença da morte da vereadora que a gente vem reivindicando e da Marielle, minha mulher, quando vejo o lado dela na cama, vazio e quando vou dormir. Esses são os momentos mais difíceis, mas sair da casa, deixar a casa, é a concretização de ter que entender que ela não vai mais voltar, né? E isso eu ainda tenho me negado a fazer. Como tenho me negado ainda a entender o que aconteceu. É um processo que tenho trabalhado na terapia, mas só entendi a morte da vereadora. Não pude aceitar a morte da minha mulher.”

O alento vem da presença constante de amigos que têm evitado que ela fique só. "O fato de voltar em casa e permanecer, eu não tenho ficado sozinha. Sempre tenho tido o apoio dos amigos. Toda a equipe da Marielle que trabalhava com ela é uma rede de amigos e de grande solidariedade e amor. É o que tem me mantido de pé. Então, eu não tenho ficado sozinha”.

Dor

A viúva disse que vive um sentimento que mistura dor e indignação pelas circunstâncias dos fatos, mas também de esperança e de amor. “Embora toda essa tragédia, a Marielle queria terminar o mandato dela de vereadora e acho que de certa forma toda essa repercussão mundial vem dando continuidade ao trabalho dela, que era sempre feito com muito afeto e muito amor. Isso mobiliza e acalenta um pouco o coração, faz com que a gente tenha esperança que este mundo possa ser ainda um lugar um pouco melhor”.

“Ver as pessoas hoje se reunindo com afeto e solidariedade, mas também com indignação pedindo por justiça, mostrando afeto e solidariedade, é muito gratificante. É ver que o trabalho dela, a morte dela não foi em vão e o trabalho dela está continuando”, afirmou Mônica.

Segundo Mônica, a dor que sente é tão profunda que não viu o tempo passar: “Eu nem sequer sabia que já faria um mês. Fui informada disso pelos chamados para as atividades de um mês no Amanhecer por Anderson e Marielle [manifestações para lembrar as mortes e pedir justiça] ”.

Investigações

Acompanhando de longe as investigações do crime, Mônica classifica os assassinatos de Marielle e do motorista Anderson Pedro Gomes com uma única frase: “Bárbaro, político e muitíssimo bem executado”. Para ela, no Brasil, pessoas que praticam este tipo de crime, julgam-se acima do bem e do mal e acreditam que não serão punidas.

“Eu tenho acompanhado de longe. Existe uma equipe técnica muito qualificada. O que me resta é ter esperança que eles façam um bom trabalho. Eu não tenho dúvidas de que este crime da Marielle terá resolução, mas para a gente é importante que não seja qualquer resposta, mas que seja a resposta", disse Mônica.

"Mais importante do que quem fez, é quem mandou fazer. É importante quem puxou o gatilho, mas também entender quem foi que articulou, porque articulou. Isso é o mais perigoso. Com certeza quem está por trás disso acredita nessa impunidade que o nosso país está acostumado a ver as pessoas que têm, de fato, poder aquisitivo e exercem o controle político dessa cidade.”

Para Mônica, o crime foi tão “brutal” que rompeu fronteiras e chocou o mundo. “A satisfação do crime da Marielle não se deve só à viúva da Marielle, à família, aos amigos, ao Rio de Janeiro, ao Brasil. O mundo inteiro quer saber o que foi que aconteceu aqui e a gente deve essa satisfação ao mundo”, observou.

A viúva de Marielle defendeu o sigilo nas investigações para preservação do material apurado em busca de resultados. Mônica destacou, que, apesar da angústia, por uma solução é preciso dar o tempo para a conclusão das apurações.

“O sigilo é importante neste momento porque é um momento muito delicado para as investigações. E tem meu respeito quanto a isso. A gente tem que entender que o tempo da nossa angústia é diferente do tempo das investigações, porque foi um crime muitíssimo bem executado. Mas isso não nos tira da luta e não nos tira a esperança de que a gente vai ter essa resposta", afirmou Mônica.

A viúva disse que aguarda a resposta certa, não rápida sobre a responsabilidade de quem matou Marielle e Anderson. "Claro que a gente quer essa resposta o mais breve possível. Isso não me trará ela de volta, então, eu aguardo pela resposta certa e não pela resposta mais rápida. Quero a resposta que seja a justa e não por uma questão de vingança, mas por uma questão de justiça. Para que os responsáveis por essa execução da Marielle e pela morte do Anderson sejam devidamente responsabilizados e punidos pelo que fizeram”, concluiu.

Edição: Renata Giraldi

Últimas