Possível uso de volume morto do Cantareira preocupa Agência de Águas

Publicado em 10/04/2014 - 14:26 Por Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil - Brasília

Sistema Cantareira

Sistema CantareiraSabesp/Divulgação

O superintendente de Regulação da Agência Nacional de Águas (ANA), Rodrigo Flecha, manifestou hoje (10) preocupação com os riscos ambientais de se usar o volume morto do Sistema Cantareira, pois não há conhecimento sobre os sedimentos que estão ali depositados. Volume morto é a parte do reservatório que não é alcançada atualmente pelas bombas.

“Nunca ninguém investigou o volume morto do Sistema Cantareira. É algo desconhecido, porque nunca se chegou a essa situação. Não se sabe o que está depositado ali. Tem que ser avaliado porque é uma área com sedimentação, via metal pesado, que vai se depositando ao longo dos anos. Não se poderá bombear a água a partir de um determinado ponto que possa revolver o sedimento que está ali”, disse Flecha, em audiência pública na na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados.

O nível do manancial chegou hoje a 12% da capacidade total. O Cantareira é o maior reservatório de água de São Paulo e abastece quase 9 milhões de pessoas na região metropolitana. A situação atual é a pior desde que o sistema foi criado, na década de 1970.

Flecha ressaltou que, diante da gravidade da situação, não é possível abrir mão da possibilidade de usar os cerca de 250 milhões de metros cúbicos do volume morto do Cantareira. “Em várias situações é possível operar com volume morto, mas existem os aspectos ambientais, e todos têm que ser levados em consideração. O Ministério Público está nos perguntando sobre as possibilidades e os limites de explorar o volume morto e  ainda não temos essa governabilidade total sobre volume morto, em particular o do Cantareira. É uma alternativa, mas até um determinado limite. Tem que ser usado com prudência e parcimônia”, destacou.

Na audiência, o superintendente da ANA apresentou o primeiro Relatório de Segurança de Barragens desde a entrada em vigor da Lei 12.334/2010, que estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens. Segundo o relatório, um grande número de pequenas barragens, de propriedade de irrigantes ou de prefeituras de cidades pequenas, não conta com estrutura para implementar os instrumentos previstos na política, tais como estudos complexos e caros sobre simulação de rompimento de barragem com a planilha de inundação e a elaboração de um plano de rompimento de barragens a cada dois anos.

Edição: Nádia Franco

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
basquete em cadeira de rodas, seleção brasileira, Rio 2026
Esportes

Coluna - Justo ou injusto?

Reclassificação no basquete tira atletas do movimento paralímpico. Dos 132 reenquadrados, 119 foram considerados aptos a competir em Tóquio, e nove inelegíveis.

 

Ensino a distância cresce mais que presencial
Educação

MEC autoriza aulas a distância em escolas técnicas federais de ensino

Instituições que optarem por suspender aulas presenciais deverão repô-las integralmente e poderão alterar calendários escolares, inclusive recessos e férias.

A Polícia Federal prende o banqueiro Eduardo Plass em nova etapa da Operação Hashtag, desbodramento da Lava Jato no Rio de Janeiro.
Geral

Polícia Federal faz operação contra fraudes nos Correios

Cargas eram distribuídas no fluxo postal sem faturamento ou com faturamento inferior, dando prejuízo de R$ 94 milhões aos Correios. Foram expedidos mandados de afastamento de funcionários.

Governo de São Paulo inicia testes com vacina contra o novo coronavírus.
Saúde

São Paulo usa Metrô para vacinar adultos e crianças 

Não é necessário apresentar carteirinha de vacinação. Em todas as estações do Metrô de São Paulo, a campanha estará na área livre do mezanino. Vacinas evitam diversas doenças.

O ministro Gilmar Mendes, durante a segunda parte da sessão de hoje (23) para julgamento sobre a validade da prisão em segunda instância do Supremo Tribunal Federal (STF).
Justiça

Gilmar Mendes suspende efeitos de veto sobre uso máscara em presídios

A decisão suspende “apenas os efeitos dos vetos feitos por meio de republicação, após o prazo de 15 dias para o exercício da deliberação executiva sobre o projeto de lei”, diz STF.

Cataratas do Iguaçu em Foz do Iguaçu/PR
Geral

Parque Nacional do Iguaçu retoma atividades a partir de hoje

Entre as medidas obrigatórias para acessar a unidade de conservação estão a redução da capacidade do local, aferição da temperatura, o distanciamento entre as pessoas e uso correto da máscara.